Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Educação

Escola bilíngue é uma boa opção?

Muitos pais reconhecem a necessidade dos filhos de dominar mais idiomas, mas ainda há dúvidas sobre matricular ou não as crianças em escolas com essa característica

Cada dia mais conhecida no Brasil, a escola bilíngue é aquela que usa no mínimo dois idiomas para ministrar as disciplinas tradicionais e o currículo nacional (embora muitas vezes ele seja complementado com o internacional). Muitos pais reconhecem a necessidade dos filhos de dominar mais idiomas, mas ainda há dúvidas sobre matricular ou não as crianças em escolas com essa característica. Será que ele vai se adaptar? Qual a melhor idade? Há mesmo vantagens reais para meu filho?

Ao se decidir por uma escola bilíngue, os pais precisam conhecer primeiramente a filosofia que fundamenta a proposta pedagógica da escola

Para Sandra Papesky Sabbag, doutora e mestre em Psicologia da Educação (PUC-SP) e Pedagoga (USP), a principal vantagem ao optar por uma escola bilíngue é colaborar na formação de um cidadão do mundo. “Devemos também considerar que as crianças que aprendem dois idiomas simultaneamente desenvolvem vantagens cognitivas, como maior capacidade de atenção às tarefas porque estão constantemente expostas às diferenças entre as duas línguas, tanto para escutar quanto para expressar-se e comunicar-se com os outros”, completa Sandra.

Mas, para que o aprendizado seja efetivo, é importante que o aluno seja exposto aos dois idiomas para aprender os conteúdos de ensino do currículo da escola. Por exemplo, em um momento a aula é dada em português, em outro, em inglês. A proficiência nos idiomas se dá pelo constante contato com as línguas no dia a dia da escola.

A pedagoga afirma, ainda, que, quanto mais cedo (antes do período de alfabetização) a criança for exposta aos dois idiomas, mais aumentam suas chances de lidar com naturalidade com a aprendizagem formal das duas línguas futuramente, a partir do período de alfabetização.

“Ainda assim, a aprendizagem deve sempre estar ligada a situações do cotidiano, relacionada a estratégias lúdicas para que a criança tome gosto pelo aprender, e isso se estende a outros conhecimentos, e não só ao conhecimento de diferentes línguas”, avisa Sandra.

Como encontrar uma boa escola

Ao se decidir por uma escola bilíngue, os pais precisam conhecer primeiramente a filosofia que fundamenta a proposta pedagógica da escola, isto é, quais os valores éticos da formação proposta para ver se há compatibilidade entre o que a família espera da escola quanto à formação pessoal da criança e o que a escola pode oferecer nesse sentido.

Para que o aprendizado seja efetivo, é importante que o aluno seja exposto aos dois idiomas para aprender os conteúdos de ensino do currículo da escola

É necessário conhecer os professores também, o ambiente da instituição. “Se possível, a família pode observar situações de sala de aula para perceber como flui o trabalho com os dois idiomas. Deve também perguntar à coordenação se a escola propõe atividades que simulem situações do cotidiano em que seja utilizada a segunda língua como, por exemplo, uma compra em supermercado, a ida a um restaurante, a organização da rotina de uma casa, o conhecimento de trajetos e formas de contato para encontrar pessoas, a simulação de ambientes profissionais com situação de entrevista para emprego etc.”, orienta Sandra.

Leia também

Programas bilíngues estão em alta nos EUA, mesmo para os anglófonos

Leia também