Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Divulgação
Divulgação
Defesa da Vida

Ela tem 89 cm de altura e uma rara condição óssea, mas levou até o fim a gestação de gêmeos

Melissa Davert superou em muito as expectativas médicas e recusou a sugestão de que abortasse uma das crianças

Ela tem pouco mais de meio metro de altura (mais precisamente 89 centímetros), uma fé gigantesca e um desejo de viver maior ainda. Melissa Davert nasceu na cidade de Bay City, em Michigan, nos Estados Unidos, em 1963, com uma desordem chamada de osteogênese imperfeita, que faz com seus ossos sejam frágeis e se quebrem facilmente. Para os médicos, na época de seu nascimento, ela não conseguiria nem se sentar e sua expectativa de vida não era longa. Mas Melissa derrotou todas as hipóteses conseguindo levar uma vida normal, fazendo um curso universitário, se casando e tendo até filhos gêmeos.

Melissa é a mais nova de sete irmãos e seus pais, mesmo sabendo que a filha enfrentaria algumas limitações, procuraram incentiva-la a ser independente, autodeterminada, ter senso de humor e manter a sua fé em Deus, acima de tudo. Ainda criança, ela mostrou aos médicos que poderia superar as expectativas quando antes mesmo de ter sua cadeira de rodas, usou um skate para poder se deslocar de um espaço a outro com mais facilidade.

Ela tem síndrome de Down e não conseguia emprego, mas decidiu abrir seu próprio negócio

Em um vídeo compartilhado no Facebook, Melissa conta que a confiança de seus pais foi importantíssima para que ela não tivesse medo de ousar. “Eles não me deram nenhum limite e eu também não impus a mim nenhum outro. Todos me incentivaram a ser autodeterminada, sem sentir pena de mim mesma”, lembra. “E se eu começasse a me sentir triste pela vida que levava, meus pais diziam: ‘Olha lá uma razão e um propósito para sua deficiência’”, explica Melissa.

Segundo ela, uma das maiores experiências de fé que ela teve foi durante um desses momentos de intensa dor provocada por uma fratura. “Naquela noite eu estava na minha cama e um osso meu havia se quebrado. Então pedi a Deus que me ajudasse a passar por aquela dor terrível. Na manhã seguinte eu estava muito melhor”, diz.

Sua independência e sabedoria para lidar com tantas adversidades trazidas por sua condição, fez com que Melissa enfrentasse o que precisasse, para conquistar seus objetivos. Ela completou seus estudos no Ensino Médio e assim que pôde ingressou em no curso de Administração de Empresas, na Northwood University. Além disso, ela participou durante 10 anos do Center for Independent Living em Midland, se dedicando a apoiar e defender os direitos de pessoas com deficiência.

A formação da família Davert

Foi durante um programa de televisão destinado a tratar de assuntos ligados às pessoas com deficiência e que era apresentado por Melissa, que ela conheceu Ken, seu futuro marido, que sofre de paralisia cerebral. Em 1992 eles se casaram e cinco anos mais tarde quiseram tentar ter um filho, mesmo sabendo poderia ser complicado. Na primeira gestação houve um aborto espontâneo na 12ª semana, mas eles arriscaram novamente e para a surpresa vieram gêmeos.

Mãe de menina com síndrome de Down é excluída de debate para “não incomodar” quem abortou

Contrariando mais uma vez as expectativas médicas, a gravidez seguiu. Era inimaginável que uma pessoa de 89 centímetros pudesse gestar dois bebês. “Uma das sugestões dos médicos foi que eu abortasse um deles. Eu e meu marido decidimos que não”, lembra Melissa. Então, em 23 de novembro de 1998, após 32 semanas, Michaela e Austin nasceram. Infelizmente eles vieram com a mesma condição de saúde de sua mãe, mas felizmente herdaram dela também o desejo de viver e serem independentes.

Hoje as crianças estão com 19 anos e há poucos anos ingressaram na Davenport University, também em Michigan. Michaela está no curso de Marketing e Austin está cursando Gestão de Informação em Saúde. Ela também faz vídeos sobre maquiagem e beleza, em seu canal no Youtube e ele é voluntário em um hospital local. “Somos muito abençoados. Não tenham pena de nós, porque temos uma vida boa. Toda vida é importante”, conclui Ken no vídeo.

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também