Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Saúde

Conheça os problemas causados pela alimentação rápida

Hoje existem 382 milhões de diabéticos em todo o mundo e a estimativa é que em 2035 esse número aumentará até 55%, passando para 592 milhões

Você sabia que comer muito rápido, em horários e lugares inadequados pode trazer uma série de problemas de saúde, como, por exemplo, o diabetes? Especialistas alertam ainda para outros males como má digestão, inflamação do trato intestinal e obesidade. “Comer depressa causa uma sensação enganosa de ‘estufamento’ e, pouco tempo depois, a sensação de fome retorna. Isso pode levar à obesidade, causar distensão e acúmulo de gordura abdominal e gases. O hábito de comer rápido também pode causar problemas gástricos como esofagite, refluxo gástrico esofágico, úlcera e gastrite. Além disso, sabemos que o ‘centro da fome’, localizado no hipotálamo, necessita que se coma por, pelo menos, 20 minutos para se sentir saciado”, afirma Alice Amaral, médica especialista em Nutrologia e Medicina do Exercício e Esporte pela Associação Médica Brasileira.

Isso porque a digestão começa na boca, pela mastigação, e o ideal é que o alimento seja mastigado 30 vezes antes de ser engolido. “Isso faz com que a saliva ajude na ação das enzimas que participam da digestão. Comer com calma faz que o organismo tenha tempo suficiente para absorver todos os nutrientes essenciais”, completa Alice.

Por esses motivos, a refeição deve ser feita com atenção, na sala de jantar, sentado, com o prato apoiado na mesa de refeição. “O ambiente e a pessoa com quem faz a refeição faz a diferença. É bom evitar comer com pessoas agitadas, restaurantes barulhentos ou com música acelerada. O recomendado é não utilizar aparelhos eletrônicos enquanto come e evitar a ingestão de líquidos ricos em açúcar durante as refeições”, conta a endocrinologista da Clínica Nuclehum Flávia Ribeiro Funes. Ao adotar hábitos corretos à mesa, toda a família ganha com isso. Os filhos aprendem pelo exemplo dos pais, que devem ensinar a criança desde cedo a apreciar a comida e a comer pausadamente.

Adquirindo novos hábitos

Mesmo que você coma muito rápido, é possível reverter esse hábito, algo que virá com a persistência. É preciso ter consciência que comer, além de ser um prazer, é uma forma de se alimentar e evitar doenças. De acordo com as médicas Flavia Funes e Alice Amaral, a forma ideal de se alimentar consiste em:

  • Comer a cada 3 horas.
  • Mastigar os alimentos até 30 vezes.
  • Comer sem distrações. Prefira um local tranquilo em vez de uma praça de alimentação.
  • Encontre pessoas mais lentas para comer e espelhe-se no ritmo dela.
  • Consumir alimentos nutritivos.
  • Não beber líquidos durante as refeições.
  • Comer ao lado de quem se ama.

Comer rapidamente aumenta o risco de diabetes

Um estudo realizado pela Universidade de Ciências da Lituânia Saúde revelou que fazer as refeições com pressa não só possibilita ganhar peso com facilidade como também aumentar as chances de desenvolver diabetes.

O estudo acompanhou 702 pessoas, e ao longo da pesquisa foi descoberto que aqueles que comiam mais rápido do que a maioria das pessoas apresentavam duas vezes e meia mais chances de desenvolver diabetes tipo 2. Já os participantes do estudo que já apresentavam diabetes eram mais propensos a ter um maior índice de massa corporal, disseram os pesquisadores.

Para o endocrinologista do hospital Sírio Libanês Renato Zilli, “tanto o ambiente como a forma como as pessoas se alimentam influenciam no aparecimento de doenças”. O especialista explica que comer frequentemente em locais agitados, como por exemplo em fast foods, é um risco. O médico lembra que a prevalência de diabetes tipo 2 aumentou em todo o mundo, tornando a doença uma pandemia mundial.  “Hoje existem 382 milhões de diabéticos em todo o mundo e a estimativa é que em 2035 esse número aumentará até 55%, passando para 592 milhões”, diz o médico. “Só no Brasil, o número de portadores da doença chega a 12 mil, cerca de 6,2% da população.”

Leia também