Saúde mental

Os mais jovens estão se afogando na busca por um perfeccionismo excessivo e isso é prejudicial

  • PorSimon Sherry* e Martin M. Smith**
  • The Conversation
  • 20/01/2021 10:31
A busca pelo perfeccionismo excessivo torna as pessoas mais neuróticas e menos eficientes com o passar do tempo.
A busca pelo perfeccionismo excessivo torna as pessoas mais neuróticas e menos eficientes com o passar do tempo.| Foto: Bigstock

Recentemente, foi feito um dos maiores estudos sobre perfeccionismo de todos os tempos. Concluiu-se que a busca pelo perfeccionismo aumentou substancialmente nos últimos 25 anos e que afeta homens e mulheres igualmente. Essas pessoas também se tornam mais neuróticas e menos eficientes com o passar do tempo.

Siga o Sempre Família no Instagram!

Perfeccionismo envolve lutar pela perfeição e exigir isso de si mesmo e dos outros. Reações extremamente negativas aos erros, autocrítica severa, dúvidas incômodas sobre as habilidades de desempenho e uma forte sensação de que os outros são críticos e exigentes também definem o perfil.

Como psicólogo clínico no departamento de psicologia e neurociência da Dalhousie University, eu e Martin M. Smith, que é palestrante em métodos de pesquisa na York St John University, temos ampla experiência na compreensão, avaliação, tratamento e estudo do perfeccionismo. Nós dois conduzimos o estudo e ficamos preocupados com os resultados.

Acreditamos que haja uma necessidade urgente de esforços de prevenção – para reduzir as práticas parentais severas e controladoras e influências socioculturais, como imagens irrealistas da mídia, que contribuem para o perfeccionismo excessivo. As intervenções para perfeccionistas angustiados também são claramente necessárias.

Millennials estão sofrendo

Para obter uma compreensão mais completa do perfeccionismo, foi feita uma meta-análise em grande escala envolvendo 77 estudos e quase 25.000 participantes. Cerca de dois terços desses participantes eram mulheres, muitos eram estudantes universitários de países ocidentais (como Canadá, Estados Unidos e Reino Unido) e tinham idades entre 15 e 49 anos.

Os pesquisadores descobriram que os jovens de hoje são mais perfeccionistas do que nunca. E que essa característica aumentou substancialmente desde 1990. Isso significa que a geração do milênio (os millenials) luta mais com o perfeccionismo do que as gerações anteriores – uma descoberta que reflete pesquisas anteriores.

As causas do perfeccionismo são complexas. Os aumentos vêm, pelo menos em parte, do mundo atual, onde a classificação e o desempenho contam excessivamente e a vitória e o interesse próprio são enfatizados.

Pais controladores e críticos também ficam muito próximos da criação de seus filhos, o que estimula o desenvolvimento do perfeccionismo. Com postagens de mídia social exibindo vidas irrealisticamente “perfeitas” e anúncios brilhantes retratando padrões inatingíveis de perfeição, os millenials estão cercados por muitos parâmetros para medir seu sucesso e fracasso.

Essa epidemia de perfeccionismo nas sociedades ocidentais modernas é um problema sério, até mortal. O perfeccionismo está fortemente ligado na pesquisa à ansiedade, estresse, depressão, transtornos alimentares e suicídio.

Conforme os perfeccionistas envelhecem, eles se pioram

Também se concluiu que, à medida que os perfeccionistas envelhecem, eles parecem se desfazer. Suas personalidades se tornam mais neuróticas (mais sujeitas a emoções negativas como culpa, inveja e ansiedade) e menos conscienciosas (menos organizadas, eficientes, confiáveis ​​e disciplinadas)

Buscar a perfeição - uma meta que é intangível, fugaz e rara – pode resultar em uma taxa maior de falhas e uma taxa menor de sucessos que deixa os perfeccionistas mais propensos a se preocupar neuroticamente com suas imperfeições e menos propensos a perseguir conscienciosamente seus objetivos.

No geral, então, os resultados sugerem que a vida não fica mais fácil para os perfeccionistas. Em um mundo desafiador, confuso e imperfeito, eles podem se desgastar à medida que envelhecem, ficando mais instáveis ​​e menos diligentes.

Os resultados também revelaram que homens e mulheres relatam níveis semelhantes de perfeccionismo, o que sugere que as sociedades ocidentais modernas não envolvem pressão específica de gênero para serem perfeitas. Os papéis de gênero parecem permitir (ou encorajar) homens e mulheres a lutarem pela perfeição.

Pesquisas futuras devem testar se os homens se esforçam pela perfeição com base mais em motivos de realização (como competir por recursos) e se as mulheres se esforçam pela perfeição com base mais em motivos de relacionamento (como agradar outras pessoas).

O amor incondicional é um antídoto

Perfeccionismo é uma epidemia importante e mortal nas sociedades ocidentais modernas que é seriamente subestimada, com muitos perfeccionistas angustiados escondendo suas imperfeições daqueles que poderiam ser capazes de ajudar (como psicólogos, professores ou médicos de família). Precisamos fazer algo culturalmente.

Os pais precisam ser menos controladores, críticos e superprotetores com seus filhos – ensinando-os a tolerar e aprender com seus erros, ao mesmo tempo em que enfatizam o trabalho árduo e a disciplina em vez da busca irreal da perfeição. O amor incondicional – em que os pais valorizam os filhos mais do que seu desempenho, posição social ou aparência – parece um antídoto para o perfeccionismo tão bom quanto qualquer outro.

O perfeccionismo é um mito e a mídia social é sua contadora de histórias. Precisamos ensinar um ceticismo saudável em relação às vidas suspeitamente “perfeitas” promovidas por meio de postagens nas redes sociais e anúncios na mídia convencional. Imagens irrealistas obtidas por meio de compras de fotos e filtros são menos atraentes depois que você aprende que o jogo está manipulado.

*Simon Sherry é professor, psicólogo clínico e diretor de treinamento clínico no departamento de Psicologia e Neurociências na Dalhousie University

**Martin M. Smith é professor em Métodos de Pesquisa na York St John University

©2021 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.