Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Fotos: divulgação/Redirect Life
Fotos: divulgação/Redirect Life
Virtudes e Valores

Como um projeto da Igreja Batista está mudando a vida dos presidiários no Paraná

Inspirado em iniciativa dos Estados Unidos, o Redirect Life aposta na união entre atividade profissional e espiritualidade

“Se você separar 10 presos e oferecer a eles a possibilidade de estudar e mudar de vida, pelo menos oitos deles não voltam para a prisão”. Quem explica isso é o pastor Luis Carlos Magalhães, um dos organizadores do projeto Redirect Life e pastor da Capelania Prisional Batista. Ainda em fase estruturação, o projeto terá como objetivo principal ressocializar presos, para que ao sair do presídio eles possam contribuir com a sociedade por meio de um trabalho digno.

A criação do Redirect Life já é um sonho antigo do pastor que há 20 anos trabalha com o serviço religiosos em unidades prisionais do país. Em 2008, durante um evento, Magalhães conheceu Catherine Hoke, idealizadora do Defy Ventures, um programa americano de treinamento e empreendedorismo para presos. O trabalho feito por ela é referência e isso fez com que o pastor buscasse mais informações até que uma parceria fosse fechada. “Era o que eu queria fazer há muito tempo e saber que eu teria com quem aprender, facilitou muito, conta.

Conheça a prisão em que detentos e animais abandonados cuidam uns dos outros

O Defy Ventures promove cursos e palestras para transformar o potencial de liderança dos presos em algo útil a eles mesmos e à sociedade. Planos de negócio, empreendedorismo e orientação executiva são algumas das aulas ministradas a eles. O material, que foi preparado por empresários de Nova Iorque e Califórnia, está sendo dublado e será utilizado também no Brasil pelo projeto Redirect Life. “Foram cedidas 100 horas de vídeo-aula para utilizarmos com os presos aqui”, explica o pastor.

Além das vídeo-aulas, Magalhães espera conseguir apoio de voluntários que possam dar cursos e palestras nas mais diversas áreas de atuação para os presos. A ideia do voluntariado parte daquilo que já é desenvolvido por ele na Capelania Prisional Batista, onde cerca de 300 pessoas dispõem de seu tempo para auxiliar no serviço religioso em algumas unidades prisionais do país.

A Capelania Prisional Batista, por seu tempo de implantação, já tem uma boa estrutura. O papel do pastor Luis Carlos Magalhães, é justamente o de buscar voluntários nas igrejas Batistas espalhadas no Brasil e leva-los ao trabalho interno. Assim, cultos são realizados nas penitenciárias e há o acompanhamento espiritual dos presos. “Sou pastor da Junta de Missões Nacionais, uma seção dentro da Convenção Batista Brasileira, mas sou membro da Igreja Batista do Bacacheri, em Curitiba/PR. Isso faz com que minha atuação acabe sendo maior no Paraná, onde temos 200 voluntários”, diz. Entretanto, há pessoas trabalhando em vários outros estados como São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande Norte.

 

Parceria

Uma das cidades onde a Capelania Prisional Batista já está bastante presente é Guarapuava, no Centro-Sul paranaense. Ali são realizados cultos e acompanhamento espiritual com os presos que trabalham em um parque industrial instalado dentro da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG). A parceria foi feita com um advogado e empresário do estado, que há algum tempo sentiu a necessidade de oferecer aos presos mais do que trabalho e algumas palestras.

Evangélicos e católicos se unem e criam ação contra a ideologia de gênero

São cerca de 100 homens que trabalham diariamente no espaço, a serviço da empresa Kadeshi. Eles produzem calçados de segurança e aprendem a conviver e cooperar uns com outros. O objetivo das tarefas realizadas em conjunto é o de ressocializar os presos e não somente ocupa-los durante o período da pena. “A questão é mudar o esquema de vida deles. Precisa ser um trabalho complexo e em equipe”, diz Luiz Carlos Leitão (54), gestor do projeto prisional.

Leitão explica que o trabalho em equipe coloca os presos novamente no seio da sociedade, já que entre as características das pessoas que são detidas estão o desejo de ser o centro das atenções, a arrogância e o individualismo. “ A fabricação dos sapatos necessita de 15 a 20 pessoas para fazer um par de sapato, por exemplo”, comenta.

projeto presidio02

No meio desse processo de ressocialização, um fato mostrou que eles estavam no caminho certo, afinal. Em outubro de 2014 uma rebelião poderia ter sido o fim dessa parceria com a empresa de calçados, não fosse a atitude dos funcionários do parque industrial. “O pessoal que trabalhava naquele canteiro impediu o quanto pode, que o espaço fosse invadido”, lembra Leitão. Apesar disso, depois de algumas horas foi inevitável a depredação do espaço, mas o ato de coragem daqueles presos fez com que após os reparos feitos no galpão, que duraram quase três anos, a Kadeshi voltasse oferecendo novamente trabalho.

Com o tempo, entretanto, a equipe percebeu que alguns dos presos acabavam voltando, porque ao saírem da prisão eles retornavam para a origem. “Muitos deles caíam e voltavam. Concluímos então que algumas áreas da vida deles não seriam transformadas humanamente”. Foi então que o Luis Carlos do projeto prisional encontrou o Luis Carlos da capelania e uma nova parceria começou.

 

Trabalho modelo

Desde então a Capelania Prisional Batista tem estado presente na Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG) e quinzenalmente acontecem cultos ali mesmo no parque industrial. O acordo entre Leitão, Magalhães, a empresa Kadeshi e a penitenciária é a que no dia de serviço religioso todos os funcionários parem e tenham um momento de reflexão, oração e louvor. “Na hora da música alguns deles até pedem para cantar e tocar algo. Em geral eles escolhem canções religiosas que tenham letras de superação”, comenta o pastor.

MMA e igreja: uma combinação que dá certo?

O trabalho realizado em Guarapuava é o modelo e será um dos primeiros a receber os cursos de capacitação da Redirect. Já há dois espaços cedidos pela Kadeshi para que sejam instaladas mesas, cadeias e projetores para as aulas. Os cursos ainda não estão definidos e nem o início de fato. Mas como o Redirect Life já está registrado como uma ONG, depois de algumas burocracias resolvidas, o trabalho deve começar.

De acordo com Magalhães, um preso custa ao estado do Paraná cerca de R$ 3.500 por mês. “Se ele já tem esse custo vamos investir para ele sair e competir aqui fora devolvendo o que gastou no tempo em que esteve preso”, diz.  Por isso o pastor considera tão importante investir na ressocialização. “Vamos agora capitanear principalmente recursos humanos para que o Redirect Life caminhe, potencializar as unidades prisionais para receberem essa estrutura e seguir em frente”, conclui.

 

(A jornalista viajou para Guarapuava a convite dos responsáveis pelo projeto)

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também