Sempre Família - Porque cuidar é fundamentalAtivo 1

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Logo-CitizenGO-positive.jpg
EU
CitizenGO Brasil

CitizenGO Brasil

"Para o triunfo do mal, basta que os bons não façam nada" (Edmund Burke)

Diretora de Campanhas da CitizenGO no Reino Unido é impedida de embarcar para os EUA

LifeSiteNews|A diretora no Reino Unido de uma organização internacional pró-vida foi impedida de embarcar hoje para os Estados Unidos. Caroline Farrow, apologista católica britânica e mãe de cinco filhos, não teve permissão para embarcar num voo para Orlando esta tarde, apesar de sua viagem aos EUA ter sido inicialmente aprovada pelo Sistema Eletrônico de Autorização […]

CarolineFarrow

LifeSiteNews|A diretora no Reino Unido de uma organização internacional pró-vida foi impedida de embarcar hoje para os Estados Unidos.

Caroline Farrow, apologista católica britânica e mãe de cinco filhos, não teve permissão para embarcar num voo para Orlando esta tarde, apesar de sua viagem aos EUA ter sido inicialmente aprovada pelo Sistema Eletrônico de Autorização de Viagem (ESTA). Farrow é uma convidada frequente na mídia britânica e é a diretora da CitizenGO no Reino Unido.

Farrow contou o seguinte ao LifeSiteNews: “Seu ESTA foi negado”, disse a ela um representante de uma companhia aérea na recepção, mas sem dizer o motivo.

“Eu nunca fui presa”, disse Farrow. “Eu nunca fui interrogada [pela polícia]. Eu não tenho antecedentes criminais.”

“Alguém obviamente foi à Embaixada dos EUA. Como pode ser tão vingativos?

Farrow estava indo a Orlando para entregar à Disney World uma petição da CitizenGO com quase meio milhão de assinaturas. Posteriormente, ela participaria de uma conferência da Foundation for Applied Conservative Leadership em Kissimmee. Ela tinha uma passagem de volta para 24 de novembro.

Farrow tem sido vítima de assédio online por ativistas transgêneros há meses, porque ela manifestou publicamente sua preocupação com crianças que são submetidas a tratamentos hormonais e cirurgias, na tentativa de fazê-las parecer membros do sexo oposto. Ativistas transexuais enviaram pedidos de entrega de comida de forma fraudulenta para sua casa, divulgaram seu endereço e até publicaram fotografias da escola de seus filhos. Agora, parece que eles podem ter feito acusações falsas à Embaixada dos EUA em Londres.

Um dos atormentadores de Farrow, Dr. Adrian Harrop, está atualmente sugerindo no Twitter que ele é responsável por ter feito a diretora da CitizenGO ser barrada nos EUA.

“Um edifício absolutamente espetacular… e uma das grandes embaixadas modernas de Londres… mas sinceramente, sempre preferi as qualidades retrô e kitsch da Grosvenor Square… como sempre, a equipe consular foi muito eficiente em lidar com meus… negócios diplomáticos importantes”, ele escreveu esta tarde.

Harrop, que não se considera transgênero, apresentou queixas relativas a outras mulheres que lutam por seus direitos diante das tentativas dos homens de mudar a definição de mulher. Em 2018, ele conseguiu uma empresa de outdoor para derrubar um pôster que definia a mulher como “um humano adulto do sexo feminino” e acusou o ativista Parker Posey na televisão britânica de discurso de ódio. Durante o debate, Posey disse a Harrop que ele era um misógino.

“Você ataca, intimida e assedia mulheres no Twitter o tempo todo”, disse ela.

Farrow identificou outro usuário do Twitter como um membro do grupo que a está assediando. Aparentemente, ele fez referência hoje ao fato de Farrow ter sido impedida de embarcar para os EUA. Peter Ede, que usa a conta do Twitter @visibleroots, twittou: “Ooooh, esse clima frio está me deixando triste. Alguém conhece algum lugar quente / ensolarado nesta época do ano? A Flórida é legal?” E acrescentou uma previsão do tempo para Orlando.

“Não deve ser nenhum lugar que pode negar sua entrada caso você esteja vinculado a uma organização de direita extremista e psicopata. Porque as pessoas podem prestar queixas sobre essas coisas. Aparentemente”,  ele continuou.

Ede logo depois adicionou um link para um vídeo sobre turistas britânicos indo para Orlando. Aparentemente obcecado com Farrow, o endereço do Ede no Twitter é uma referência ao cabelo da mãe de cinco filhos.

No início desta semana, outro assediador de Farrow disse no Twitter que ela logo ficaria surpresa.

O LifeSiteNews entrou em contato com a Embaixada dos EUA em Londres, o Departamento de Estado dos EUA e o escritório do governador da Flórida, Ron DeSantis, e aguarda respostas sobre o caso Farrow. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, é amigo do movimento pró-vida e pró-família.

Farrow disse ao LifeSiteNews que o constante assédio dos ativistas LGBT teve um forte impacto em sua vida.

“Tenho vivido com medo”, disse ela. “Não posso cuidar dos meus negócios diários. Fui submetida a um tratamento para ansiedade.”

Harry Miller, da Fair Cop, uma organização dedicada a garantir que a polícia britânica respeite a liberdade de expressão, disse ao LifeSiteNews que a proibição de viajar imposta a Farrow foi “absolutamente chocante”. Ele também acredita que ela foi impedida de embarcar para os EUA porque um ou mais de um grupo de ideólogos entraram em contato com a Embaixada dos EUA em Londres.

“Há ativistas que não gostam de Caroline nem de ninguém que se opõe à ideologia transgênero”, disse ele.

Miller disse que os ativistas publicaram no Twitter sua intenção de atrapalhar os planos de viagem de Farrow, razão pela qual ele acredita que podem ter entrado em contato com a Embaixada dos EUA para contar histórias sobre Farrow.

“Eles estão escondidos lá ao ar livre, e é exatamente isso que eles fazem”, disse ele. “Eles realmente acreditam que estão em uma missão, e qualquer voz dissidente precisa ser calada.”

Miller, que é um ex-policial, está preocupado a possibilidade investigações policiais sobre supostos “incidentes de ódio” – como alguém dizer que não acredita que um homem possa se tornar uma mulher – um dia acontecerem na América, tal como têm ocorrido no Reino Unido.

“O que acontece aqui, vai acontecer lá”, disse ele.

Por

Comentários

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Leia também