Nem "tampa da panela", nem "metade da laranja"

Por que estar completo em si é fundamental para que um relacionamento seja saudável

  • Por Lucian Haro
  • 05/10/2020 17:57
Atribuir a outra pessoa uma tarefa complexa como preencher o que falta em você pode fazer mal a um relacionamento
Atribuir a outra pessoa uma tarefa complexa como preencher o que falta em você pode fazer mal a um relacionamento| Foto: Ba Tik/Pexels

Com certeza você já ouviu aquela máxima de que para uma união dar certo é preciso encontrar a “tampa da panela” ou a “metade da laranja”, no sentido de achar alguém que te preencha inteiramente e tire todos os seus sonhos e planos do papel, certo?

Siga o Sempre Família no Instagram!

Só que atribuir ao outro uma missão tão complexa quanto essa pode ser a maior furada. Especialistas ouvidos pelo Sempre Família garantem que depositar todos os ideais de felicidade em um relacionamento amoroso é a receita para a frustração. Para eles, antes de tudo, é preciso estar completo em si.

“Primeiro porque o parceiro não tem o poder de completar e ser tudo aquilo que alguém idealiza, afinal uma vida satisfatória é feita de incontáveis nuances. Além do mais, um relacionamento está sempre em construção, jamais estará pronto”, diz a psicóloga Bárbara Snizek Ferraz de Campos, mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Segundo ela, o parceiro ideal que preenche por completo é pura ilusão. “O ser humano é movido pela falta, que leva ao movimento. O grande amor é, antes de tudo, uma relação que precisa ser construída no dia a dia. O interessante é buscar parceria e não completude”, recomenda.

Também, pelo que afirma a especialista, um relacionamento sempre traz riscos, ainda mais quando um dos dois está fragilizado e deposita uma carga de expectativas irreais no outro. “Estar seguro de si e conhecer a si mesmo pode ajudar a lidar com a relação de forma menos idealizada e mais leve. Assim, ambos podem aproveitar a companhia um do outro e estabelecer uma parceria positiva”, sugere Bárbara como antídoto.

Imaturidade e narcisismo

“Uma pessoa que não conhece a si própria não consegue se relacionar bem com os outros. E aí fica perdida na relação”, aponta Tito Lívio Ferreira Vieira, doutor em História da Ciência e professor do curso de Psicologia da Estácio Curitiba.

Para ele, a maioria das pessoas é relativamente imatura e narcisista – o que ajuda a explicar essa mania de esperar que o outro nos faça feliz. “A pessoa imatura quer ser olhada pelo outro nas suas necessidades. Então, tem uma certa dose de narcisismo. Não o normal, um pouco patológico, onde as pessoas querem ser ouvidas e atendidas o tempo todo”, acrescenta.

Para que a união dure e seja funcional, o professor defende uma relação baseada no real do outro e não nas expectativas que criamos sobre ele. “Se você é egoísta e não consegue desenvolver a capacidade de amar, não vai desenvolver um interesse sincero pelo outro. O outro não pode ser visto apenas como alguém que vai proporcionar meios de você satisfazer as suas necessidades. Tem que ser justamente o contrário”, ressalta.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.