Sempre Família - Porque cuidar é fundamentalAtivo 1

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
path3371
eu para blog
Jônatas Dias Lima

Blog da Vida

Opinião e notícia sobre as causas pró-vida e pró-família

Adolescente com microcefalia dá início à carreira de modelo no Amazonas

Quando nasceu, os médicos disseram à mãe de Ana Victoria que ela jamais andaria; agora ela desfila em passarelas

Reprodução/TV Amazônia
Reprodução/TV Amazônia

Uma ótima reportagem da Rede Amazônia e do G1 Amazonas reforça a gravidade do erro que o Supremo Tribunal Federal (STF) pode cometer, se legalizar o aborto em mães portadoras do Zika vírus, devido ao risco do bebê nascer com microcefalia. Reparem que, segundo a matéria, a mãe foi alertada pelos médicos de que a menina “não ia andar, nem falar”. O tempo provou tratar-se de um palpite grosseiro e mentiroso.

Leiam um trecho:

 

Ganhar o mundo por meio das passarelas e campanhas publicitárias é o sonho de muitas jovens. Para Ana Victória Lima, de 17 anos, os flashes das lentes fotográficas têm um significado ainda mais encantador: o da superação. Diagnosticada com microcefalia, a adolescente não perde a postura em frente às câmeras e afirma que atuar como modelo é uma realização. “É meu sonho”, diz. A história da jovem que mora em Manaus ficou conhecida após a mãe de Ana, Viviane Lima, criar grupo de apoio na web.

Ao G1, Viviane comentou sobre os novos passos da filha e desafios da profissão que escolheu após ser convidada para um projeto de uma agência de modelos em Manaus. A jovem já recebeu várias propostas para trabalho.

Reprodução/TV Amazônia
Reprodução/TV Amazônia

Ainda durante a gravidez, Ana Victória foi diagnosticada com microcefalia. A mãe, aos 18 anos, recebeu a notícia com seis meses de gestação.

“Naquela época não se tinha esse entendimento, eu não sabia o que era microcefalia, então eu tinha que esperar para ver o que seria. Quando ela nasceu, o neurologista chegou e disse: ‘ela realmente tem microcefalia, ela não vai andar e não vai falar”, contou Viviane.

Dois anos e meio depois, durante nova gravidez, a notícia de que a segunda filha, Maria Luiza, também teria microcefalia abalou a mãe. “Disseram que ela não teria 24 horas de vida, e hoje ela tá aí, com 15 anos”, conta. Hoje, ao ser estimulada pela mãe, Ana fala como se sente: “Maravilhosa, linda, perfeita. Graças a Deus. É meu sonho”, disse a jovem modelo.

Hoje, na adolescência das filhas, Viviane relembra os momentos difíceis e abre os caminhos para uma nova experiência. Ana Victória e Maria Luiza foram chamadas para uma sessão de fotos idealizada para um projeto chamado “Arte sem Preconceitos”, de uma agência de modelos em Manaus. O projeto convidou 30 crianças deficientes e teve início há cerca de um mês.

Ana Victoria, sua mãe e suas irmãs (imagem: reprodução/TV Amazônia)
Ana Victoria, sua mãe e suas irmãs (imagem: reprodução/TV Amazônia)

“No momento que elas estavam fazendo a foto foi que a dona da agência chegou e disse ‘Essa menina precisa estar na passarela’. Só que assim, a Ana Vitória sempre teve esse jeito, essa vontade de desfilar, mas eu nunca pensei nisso profissionalmente, nunca tinha pensado dessa forma”, afirmou Viviane.

O destaque de Ana saiu das ideias para as lentes das câmeras. A agência iniciou um processo de preparo para que a estudante aprendesse a fotografar e desfilar. Segundo a mãe, a mudança no comportamento da filha foi inevitável.

“Quando eu vi a Ana Victória em um salto alto e desfilando desse jeito, eu pensei: o que estava guardado dentro dela era o que estava precisando para ela amadurecer”, afirmou Viviane.

 

Acesse o site do G1 Amazonas para assistir o vídeo da reportagem e a íntegra do texto.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

Por

1 Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

  1. O termo usado para o possivel diagnostico médico foi um tanto tendencioso. Os médicos trabalham com estatisticas e por esse motivo ja preparam para qualquer possibilidade. Quando meu filho nasceu prematuro me foi dito que ele poderia morrer pelo quadro que se apresentava. A reportagem deveria ser revista ao dizer que foi um ‘palpite grosseiro e mentiroso’.

Leia também