Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Virtudes e Valores

8 dicas para superar a fobia social

Você tem receio de iniciar uma conversa com alguém que acabou de conhecer? E falar em público, nem pensar?

Você tem receio de iniciar uma conversa com alguém que acabou de conhecer? E falar em público, nem pensar? Muitas pessoas também passam por isso, mas se essa situação sai do controle a ponto de paralisar a vida de alguém, é necessário agir – e, em alguns casos, inclusive pedir ajuda profissional. Normalmente, a fobia social está relacionada ao perfeccionismo, que traz consigo a insegurança e a baixa autoestima.

Assim, quando nos expomos aos outros, automaticamente surge em nossa mente um juiz que pensa que todos ao redor estão nos analisando negativamente ou esperando que cometamos um erro. Confira essas dicas para ajudar a superar esse tipo de ansiedade:

 

01) Aceite o que você pensa para mudar o que você pensa

O primeiro passo para superar os pensamentos negativos que temos sobre nós mesmos é reconhecer que estamos pensando dessa maneira. Admitir para si mesmo que esse juiz implacável está mais na nossa cabeça do que na cabeça dos outros é a porta de entrada para conseguir expulsar esse juiz aí de dentro.

 

02) Mude o que você pensa para mudar o que você faz

Uma vez identificado esse tipo de pensamento, é preciso substituí-lo por uma visão realista. Os pensamentos ilusórios que mantivemos até então podem ser dos seguintes tipos:

  • Você sabe ler a mente dos outros: você acha que é muito intuitivo e sabe detalhadamente o que os outros estão pensando. “Tenho certeza que ele acha que meu vestido está horrível”.
  • Você sabe predizer o futuro: “Algo vai dar errado hoje, com certeza”. Ou, quando o telefone toca e você pensa: “Lá vem má notícia”.
  • Você leva tudo para o lado pessoal: qualquer gesto ou olhar de outra pessoa é dirigido para você. Se alguém te olha sério é porque você fez algo errado. Comumente, a pior interpretação possível do que o outro diz é a que vem primeiro à sua mente.

 

03) Siga a realidade

Como você poderia saber o que o outro está pensando? Por que você tem tanta certeza que hoje será um dia ruim? Pergunte a si mesmo porque você está sempre seguro de que a sua interpretação dos gestos e palavras dos outros é sempre 100% certeira. Lembre-se das vezes em que você errou a esse respeito. Confrontando seus pensamentos com a realidade, pouco a pouco você verá que tem alimentado muitas ilusões.

 

04) Abandone o perfeccionismo

Aprenda de uma vez por todas que não é possível fazer tudo da maneira mais perfeita. É impossível! E se você acha que conhece alguém que faz isso, é porque provavelmente conhece só um lado da vida dessa pessoa. Manter a casa em ordem, cuidar da aparência o máximo possível, ter as conversas mais interessantes, ser o trabalhador mais bem-sucedido, cozinhar como um chef todos os dias – é humanamente impossível contentar a todas essas expectativas. E não há nenhum problema com isso. Encontre seus pontos fortes, seus pontos fracos e abrace ambos com todo o coração.

 

05) Exponha-se gradualmente

Um bom exercício para complementar essa mudança de pensamento é se expor pouco a pouco às situações que costumam te deixar tenso. Se você costuma ficar calado em uma reunião, intervenha uma vez. Se você se assusta ao pensar em sair com muitas pessoas, comece a sair com poucos amigos. Assim, gradualmente, você vai se soltando.

 

06) Perca o medo de errar

Se o seu medo é o de cometer um erro “imperdoável”, recorde-se de que isso não existe. Sempre é possível pedir perdão. Os erros fazem parte da nossa vida – e, por isso, o perdão também. Muitos dos erros que você pensa serem gigantes costumam passar despercebidos. Ao contrário de você, seus amigos não vão ficar a semana inteira pensando neles.

 

07) Aprenda a perguntar

Se você tem receio de conversar com as pessoas porque gagueja um pouco ou não é bom em contar histórias, aprenda a perguntar. Pense em perguntas bem abertas, que deem ao outro a oportunidade de falar muito mais do que um “sim” ou um “não”. Em vez de perguntar apenas: “Você trabalha com quê?”, pergunte: “O que você faz no dia a dia em seu trabalho?” Com isso, pouco a pouco a conversa se abre e ganha naturalidade – e você vai estar falando sem nem perceber.

 

08) Sempre é um bom momento para começar

Não importa se você se acha velho demais ou se acha que as pessoas vão notar que você mudou. Sempre é tempo de recomeçar. Ninguém sabe tudo, ninguém é perfeito e todos nós mudamos muitas vezes ao longo de nossa vida. A vida envolve crescimento, transformação e uma melhoria constante de nós próprios.

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

 

Leia também