Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Educação dos filhos

7 dicas sobre o que fazer quando achar que seu filho está viciado em videogame

Uma lista de boas práticas para que o videogame sirva como um entretenimento saudável dentro de casa

Em muitas famílias os momentos de ócio das crianças são preenchidos pelo videogame que, conforme o Sempre Família já publicou, pode até se tornar um instrumento útil de aproximação entre pais e filhos ou mesmo recurso educativo. Contudo, é bem sabido também o risco que especialmente os adolescentes correm se passarem tempo demais ocupando-se com os jogos, ao ponto de isolarem-se da família e usar os games como fuga dos problemas no mundo real. Preocupados com isso, pesquisadores da Universidade Aberta da Catalunha, na Espanha, concederam uma entrevista ao jornal ABC explicando quando os pais devem se preocupar.

“Vício é algo mais sério do que brincar um dia a mais do que o habitual”, diz José Antonio Molina, doutor em Psicologia. “Para considerar que o seu filho sofre de dependência tem que haver uma série de características e, sobretudo, que estas sejam mantidas ao longo do tempo, não sendo pontuais, diz ele.

Para se evitar os riscos à saúde causados por muitas horas em frente a uma tela, a equipe de estudiosos do qual Molina sugere uma lista de boas práticas entre as quais estão:

 

1) Interesse-se por saber o que os filhos estão jogando: se o jogo tiver história, procure saber ao menos o básico sobre o enredo, objetivos e personagens;

 

2) Seja exigente com os horários pré-estabelecidos: não ceda à vontade deles de ficar por mais tempo em frente à tela;

 

3) Proponha outras atividades para variar a rotina: principalmente aquelas em que seu filho pode interagir com outras pessoas e que não envolvam uma tela;

 

4) Incentive a leitura de livros e revistas;

 

5) Reduza a quantidade de telas a que a criança tenha acesso: isso vale especialmente para famílias que possuem vários equipamentos eletrônicos em casa, como smartphones, tablets, computadores e televisões;

 

6) Quando achar que seu filho está muito preso ao videogame, pare e converse com ele sobre a situação;

 

7) Busque ajuda profissional sobre o que fazer quando seu filho estiver encantado demais pelos jogos, ao ponto de só falar sobre eles;

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também