Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock.
Bigstock.
Educação dos filhos

10 verdades sobre ter três filhos

Quando o terceiro nasce, você percebe que tem mais filhos do que mãos, mas o amor sabe se multiplicar

Muitos casais acham que já é hora de parar de ter filhos quando nasce o segundo. E com alguns deles, acontece uma surpresa: uma terceira gravidez. É uma preocupação a mais, mas no fim os pais são unânimes: não conseguem imaginar a sua vida sem os três filhos.

Ter o terceiro filho muda as coisas. É uma dinâmica única, que apresenta desafios especiais. Apresentamos aqui alguns fatos sobre ter três filhos:

 

  1. Você tem mais filhos que mãos

Isso é um problema especialmente se os três têm idades próximas. Você logo aprende a usar seus joelhos, nariz e dedos dos pés como mãos.

 

  1. Vocês estão em desvantagem

Há mais crianças que adultos na casa. Você vai se perguntar algumas vezes como não tinha pensado nisso antes.

 

  1. Você tende a ver seu filho caçula como mais novo do que realmente é

Quando o seu primeiro filho tem quatro anos, ele parece um grande garoto. Quando o seu terceiro filho tem quatro anos, parece um bebê. Em cada idade, você espera muito mais do seu primeiro filho do que do último, seja em comportamento, seja na escola.

 

  1. O filho do meio tende a inovar para chamar a atenção

É inevitável: o mais velho tem o privilégio e o orgulho de fazer tudo pela primeira vez e o mais novo tem os benefícios próprios do caçula. Os filhos do meio são gênios criativos por um motivo.

 

  1. Você realmente precisa daquela minivan ou de um carro com mais lugares

Se você vai dar carona para qualquer pessoa a mais, precisa de mais do que cinco assentos no carro. Além disso, em muitos carros populares é simplesmente impossível colocar cinco malas.

 

  1. Você desiste completamente de dormir

Aquela ideia de um sono completo, durante toda a noite, parece muito bonitinha quando o seu bebezinho acabou de nascer. Afinal, de vez em quando os bebês dormem a noite toda. Só que então eles se crescem e se tornam criancinhas com pesadelos. E depois, crianças em idade escolar que ficam apavoradas com o trailer de um filme de terror. E mais tarde, adolescentes que sentem a necessidade de terem profundas conversas, de coração a coração, a noite inteira. No terceiro filho, você já se deu conta de que dormir é opcional.

 

  1. Alguém sempre vai se sentir de fora

Com um número ímpar de filhos, qualquer jogo para dois vai excluir um deles. Os três tentando sentar perto da mãe num restaurante é como uma crise internacional. Já tentou dividir um biscoito em três?

 

  1. Vai ser difícil assistir a algum filme em família

A menos que os três tenham vindo um logo após o outro, as diferenças de idade vão fazer com que seja um pesadelo escolher um filme para a família toda ver junto. O mais novo vai querer ver Alvin e os Esquilos, o mais velho preferirá Jogos Vorazes e o do meio vai ficar em cima do muro. Vocês vão acabar tendo um número bastante limitado de filmes que agradam a todos e vão revê-lo dezenas de vezes, em nome da paz no lar.

 

  1. O seu primeiro filho vai ter um álbum de bebê lindo e o terceiro vai ter algumas fotos em algum lugar no computador

O scrapbook do seu primeiro filho é uma obra-prima soberba, feita com todo o carinho com as suas próprias mãos. O segundo tem um álbum de fotos incompleto. O terceiro tem sorte se tiver alguma foto impressa.

 

  1. Você tem certeza de que a sua capacidade de amar cresce com cada filho

Talvez você esteja feliz com três, talvez queira mais, mas você sabe que se aparecer o quarto filho, você vai experimentar duas coisas: 1) vai surtar: “Meu Deus! Quatro filhos!”; e 2) você vai amar esse quarto filho tão apaixonadamente como ama os outros três. Porque, por mais que eles enlouqueçam você, esses pequeninos mostraram que o amor de uma mãe e de um pai não tem limites. A vida com três filhos é caótica e estressante às vezes, mas é também repleta de vida e de amor.

 

Com informações de Scary Mommy.

Colaborou: Felipe Koller

Leia também