Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Irmãs da congregação Irmãzinhas dos Pobres, grupo religioso que venceu Obama na justiça em 2016. (foto: divulgação/Little Sister of the Poor)
Irmãs da congregação Irmãzinhas dos Pobres, grupo religioso que venceu Obama na justiça em 2016. (foto: divulgação/Little Sister of the Poor)
Defesa da Vida

Trump põe fim à política de Obama que obrigava entidades religiosas a oferecer aborto às funcionárias

Medida é um aperfeiçoamento da mudança já adotada por Trump em maio e que tem como pano de fundo uma batalha judicial envolvendo um grupo de freiras

O governo norte-americano publicou na última sexta-feira (06/10) uma ordem que põe fim à obrigatoriedade de que os planos de saúde oferecidos por empregadores aos seus funcionários incluam contraceptivos e drogas abortivas. O término dessa política era uma das promessas de campanha do presidente Donald Trump. Agora, entidades que tenham objeções ao aborto e à contracepção, como instituições católicas e de outras denominações cristãs, não são obrigadas a fornecer aos seus empregados serviços que contrariem os seus valores.

Em 2010, o governo de Barack Obama obrigou todas as empresas e instituições a oferecer planos de saúde aos seus empregados, o que incluía controle de natalidade, esterilização e pílulas abortivas. Uma congregação religiosa chegou a vencer o governo em uma disputa judicial, em 2016, com base no direito à objeção de consciência. As Irmãzinhas dos Pobres contaram até mesmo com o apoio do papa Francisco durante o processo, que as visitou em sua viagem aos EUA, em 2015.

Governo Trump provoca virada pró-vida na comissão da ONU para as mulheres

Em maio, Trump chegou a assinar uma ordem executiva sobre a liberdade religiosa, mas a medida foi criticada por não fazer menção à obrigação de oferecer esses serviços nos planos de saúde. Na ocasião, o presidente disse que “nenhum norte-americano deve ser forçado a escolher entre as ordens do governo federal e os princípios da sua fé” e chamou as Irmãzinhas dos Pobres para ficar ao seu lado durante a assinatura da ordem.

A nova normativa, dividida em dois documentos intitulados “Isenções religiosas e adequações para a cobertura de certos serviços preventivos sob a Lei de Proteção e Cuidado ao Paciente” e “Isenções morais e adequações para a cobertura de certos serviços preventivos sob a Lei de Proteção e Cuidado ao Paciente”, transforma em lei a decisão da Suprema Corte dos EUA no caso das Irmãzinhas dos Pobres e em vários outros casos semelhantes.

“Os Estados Unidos têm uma longa história de proteção à consciência na regulamentação do serviço de saúde para entidades e indivíduos com objeções baseadas em crenças religiosas ou convicções morais”, diz o texto das novas normas. “Essas regras não alteram vários outros programas federais que fornecem contraceptivos de forma gratuita ou subsidiada para mulheres com risco de gravidez indesejada”.

Trump põe 8,8 bilhões de dólares anuais fora do alcance de ONGs pró-aborto

Segundo o jornal The New York Times, o principal responsável pelo texto é Matt Bowman, um advogado pró-vida que trabalhou para a conhecida organização Alliance Defending Freedom antes de ser convidado a fazer parte do Departamento de Saúde do governo Trump. Os documentos, que juntos chegam a quase 300 páginas, citam alguns dos riscos de saúde que alguns contraceptivos oferecem e o incentivo que eles constituem à vida sexual precoce entre adolescentes.

 

Com informações de Life Site News.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

Leia também