Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Beautiful Snow Queen Reading a Book
13010153_1316171381746165_1556056633_o
Ana Clara, Bárbara, Bia, Day, Letícia B, Letícia Q e Teresa

Reginas

Reflexões para mulheres reais

Chiara Corbella Petrillo, um testemunho que tem tocado corações…

Ela soube entregar os seus projetos nas mãos de Deus: foi precisamente nisto que foi extraordinária.

chiara-corbella-petrillo-1514738668

Chiara Corbella Petrillo, uma alegre, cheia de vida e radiante jovem da “geração João Paulo II”, nasceu na Itália no ano de 1984. Cresceu em um ambiente católico, em que se vivia a fé no cotidiano, na oração, especialmente na oração do santo Terço em família, assim alimentava seu amor e sua amizade com Jesus. Viveu uma infância e juventude felizes ao lado de seus pais e de sua irmã. Amava viajar, gostava de tocar violino, amava a natureza e os animais. Amava a vida.

Em viagem a Medjugorje, em 2 de agosto de 2002, Chiara conhece o jovem Enrico Petrillo. Ela estava com 18 anos e nunca havia namorado. Mas, ao ver aquele rapaz, sente em seu coração algo diferente, algo que nunca tinha sentido antes. Chiara e Enrico tiveram um namoro difícil, com idas e vindas, com rupturas dolorosas. Com a oração e a ajuda de padre Vito, diretor espiritual de Chiara, ela compreende que precisa deixar de lado o medo de ser ela mesma, de se revelar verdadeiramente a Enrico. Entende também que precisa dar espaço para Deus ser Deus na vida dela, na vida dos dois, com a certeza de que Deus tem sempre o melhor para nós. Então, fosse o Enrico ou não o homem da vida dela, era necessário abandonar-se em Deus e confiar nos planos Dele. E assim ela faz.

Enrico, por outro lado, percebe que ele também precisa de uma vida de oração e do auxílio de um diretor espiritual. Quando, então, toma essa decisão, compreende que o medo de amar e de se entregar de verdade e por inteiro a Chiara era empecilho ao desenrolar do namoro dos dois. A partir daí, firmados no Senhor, reatam o namoro. E num dia de peregrinação para Assis, na Marcha Franciscana – um itinerário espiritual até a igreja de Santa Maria dos Anjos, para a festa do perdão -, num dia 2 de agosto, Enrico pede Chiara em casamento.

Os desafios e as dificuldades do tempo de namoro de Enrico e Chiara foram uma preparação para o que iriam viver depois. Os jovens esposos, já início do casamento, enfrentam uma dura prova. Chiara descobre que está grávida, mas a criança sofre de malformação incompatível com a vida. Na segunda gestação, novamente o casal espera um bebê com outra malformação também incompatível com a vida. Nos dois casos, o jovem casal leva as gestações até o fim, tem a graça de batizarem os filhos e minutos depois os entregarem a Deus com uma serenidade e uma confiança sem igual. Como eles diziam, Deus estava a falar algo com essas duas gravidezes. É importante perceber como eles escolheram colocar Deus no centro de suas vidas e também como eram sensíveis e atentos ao que Deus lhes pedia, lhes falava em cada momento. Nas duas situações, Chiara relata depois a alegria de saber-se mãe, mesmo que tivesse tido seus bebês nos braços por poucos minutos, mas tinha provado da alegria e do dom de ser mãe. Era uma mãe com os filhos no Céu. E recordava aqueles dias como uns dos mais felizes de sua vida. E dizia que se tivesse abortado seus filhos teria como lembranças a dor e o pesar. Ela escolheu pela vida e pelo amor, apesar dos sacrifícios. Afinal, amor de verdade e sacrifício estão sempre juntos. Não há amor sem sacrifício, assim como não há rosas sem espinhos.

Na terceira gestação, Chiara espera um bebê saudável, mas é diagnosticada com um câncer. Ela, então, decide adiar o tratamento para preservar a saúde da criança. Quando o bebê nasceu, ela iniciou o tratamento com serenidade e confiança em Deus. Mas a doença já tinha avançado bastante.

Nesse tempo, são tocantes os relatos de como Chiara passou pela enfermidade, pelo tratamento, pelos longos dias de intensa dor, tudo isso com uma profunda confiança e abandono em Deus, sem reclamações ou lamentos, mas, sim, com um olhar fixo em Jesus. É interessante ver que no seu período de tratamento no hospital, ela consolava e levava alegria e paz aos outros doentes, era um raio brilhante de luz e esperança na vida deles. No livro Nascemos e jamais morreremos, a história de Chiara Corbella Petrillo (que já está na segunda edição), lemos um forte e tocante diálogo entre Chiara e Enrico, seu esposo. Nos seus últimos momentos de vida, Chiara está em frente ao sacrário, fitando a Jesus de forma apaixonada. Diante dessa cena, Enrico, pensando na frase de Jesus que diz: “O meu jugo é suave e meu peso é leve”, faz uma pergunta a sua esposa. “Chiara, mas é realmente suave esse jugo, essa cruz, como diz Jesus? E Chiara, sorrindo, com um fio de voz, desviando seu olhar do sacrário para o marido, responde-lhe: Sim, Enrico, é muito suave”.

chiara3_645_429_55

Nesse terrível momento de dor, Chiara, ainda tão jovem, com esposo e um bebê, com uma grave doença e já desenganada pelos médicos, demonstrava uma fé, confiança e entrega a Deus desconcertantes. E o Senhor a amparava com amor e consolações. Jesus lá estava a ajudá-la a carregar a cruz. Ela tinha aprendido que a cruz deve ser pacientemente carregada mesmo nos momentos em que isso parece algo impossível. Sabia que com Deus e em Deus tudo é possível. Sabia-se amada por um Deus que é Pai e que jamais abandona. Foi muito consolada por Deus.

O testemunho de vida da Chiara tem tocado e edificado os corações tamanha a força, a autenticidade, a fé, a confiança e o abandono a Deus sem reservas dessa jovem mulher. É impossível se deparar com os relatos, os escritos, os livros sobre a vida dela e não se comover, não se impactar, não se perguntar de onde vinha e de onde ela tirava toda sua força, como fez para ter tamanha fé e confiança em Deus? Como fez para se abandonar sem reservas aos planos de Deus? Chiara revela-nos uma força tal que venceu a morte e segue gerando vida, dando frutos. É impossível se manter indiferente diante do testemunho da vida dela. Uma vida que nos questiona e que nos leva a repensar nossa fé e nossa confiança em Deus, por vezes tão confortáveis, desafia-nos, faz-nos rever nossa caminhada e não nos acomodar, mas, sim, dar saltos na fé. Ela, como dizia sua irmã, foi extraordinária nas coisas normais, nas ordinárias, no dia a dia. Soube a cada momento dar seu sim a Deus, mesmo sem entender. A lição que ela deixa é dos pequenos passos possíveis diários na fé. Deus pedia a eles, dizia Chiara, apenas pequenos passos possíveis. E assim eles seguiam. Vivia com a certeza de que Deus não nos pede para fazer uma coisa sem que Ele mesmo nos conceda a graça necessária. E, assim, nas dificuldades sempre rezavam: “Senhor, não entendo, mas aceito”.

Chiara nasceu para o Céu no dia 13 de junho de 2012, aos 28 anos. Já existe no Vaticano um processo para sua beatificação. Hoje ela já é chamada de Serva de Deus na Igreja. Em breve, e com a graça de Deus, será beatificada e canonizada. Percorreu esta vida num caminho de santidade. É um exemplo de que se pode viver e buscar a santidade nos dias de hoje. É uma serva de Deus de nossos dias, de nossos tempos.

Ela viveu a santidade no cotidiano de sua vida, nas coisas mais simples, dando diariamente seus pequenos passos possíveis na fé. Soube entregar os seus projetos nas mãos de Deus e foi precisamente nisto que foi extraordinária. A vida da Chiara é um belo testemunho cheio de amor, confiança e verdadeiro abandono em Deus. Foi inteira em tudo que viveu, irradiou alegria, entregou-se por completo e amou sem reservas. Junto a Jesus, carregou sua cruz. Amou até o fim. É, sem dúvida, luz e sal para este mundo.

(Dayane Negreiros)

Por

Comentários

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Leia também