Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Educação dos filhos

Qual seria a melhor idade para uma criança passar a ter aulas de música?

Cientistas têm estudado como a aptidão e habilidade dos músicos se desenvolve

Um estudo do Montreal Neurological Institute e da Concordia University comprovou que faz diferença que as crianças tenham aulas de música desde cedo. Tomografias compararam o cérebro de músicos que começaram a aprender um instrumento antes dos sete anos de idade com o daqueles que, mesmo tendo tempo de experiência igual, começaram mais tarde. O exame revelou que o primeiro grupo estabeleceu conexões mais fortes entre regiões motoras – áreas do cérebro ligadas ao planejamento e à execução de movimentos – do que o segundo grupo, o que lhes garante maior precisão e exatidão nos movimentos.

Mas isso não significa que se deva impor a todo custo que a criança aprenda um instrumento desde pequena. Já se sabe que atividades que nos dão prazer têm mais chances de criar mudanças no cérebro. Então, obrigar uma criança que não tem a mínima vontade de aprender um instrumento a ter aulas de música pode desperdiçar todo o potencial de sua idade. Aliás, forçá-la a aprender a tocar pode causar o que o estudo chama de “estresse tóxico” – o aumento da produção de cortisol, um hormônio ligado ao estresse que pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro.

Cinco aplicativos que ensinam conceitos musicais para crianças

Caso se ofereçam várias opções de instrumentos e métodos para a criança e ela se atrai por um, tudo bem. Se não, não tem problema – não é preciso pensar que “é agora ou nunca”. O estudo indicou que fatores genéticos e ambientais têm relação com a tendência em começar a aprender cedo e com as diferenças na estrutura cerebral e no comportamento. Quando esse interesse se desenvolve, pode-se aprender música em qualquer idade.

 

Com informações de Todays Parents.

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

1 Comentário
Leia também