Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
15536660_10209931922029110_1475908632_o
20160327_180614
João Pedro da Luz Neto; Debora Duarte Costa

Prósopon

Resenhas literárias

#Resenha – Infinita Sinfonia

Helena Kolody se especializou em sensibilizar o leitor de modo inigualável.

Foi para promover a literatura paranaense – pouco difundida entre os próprios conterrâneos – que a Gazeta do Povo, em 2014, lançou a “Coleção Gazeta do Povo de Literatura Paranaense”. Destes, o último que li foi “Infinita Sinfonia”, da poetisa Helena Kolody; foi, porém, o mais marcante.

Como é comum saber, Helena Kolody foi pioneira na publicação dos haicais, pequenos poemas de origem japonesa que ousam dizer o máximo com um mínimo de palavras. Talvez por isso a poetisa tenha se especializado em sensibilizar o leitor de modo inigualável, em pôr-se ao lado dele em suas dificuldades e no jeito sereno de levar a vida.

Os grandes dilemas humanos são contados em seus poemas: a angústia da morte, a beleza de sonhar, o tempo e a saudade, o movimento do mundo, a natureza repleta da Presença que consola os corações…

Os escritos de Helena não são palavras: são sopros de vida que enchem o coração.

 

Levam o amanhecer (Helena Kolody)

Partem.

E levam consigo a memória

de nosso amanhecer.

 

A quem dirigir

a pergunta mágica>

Lembra-se?

 

Quem,

entre os jovens,

acreditará

que fomos jovens também?

 

Mergulho (Helena Kolody)

Almejo mergulhar

na solidão e no silêncio,

para encontrar-me

e despojar-me de mim,

até que a Eterna Presença

seja a minha plenitude.

 

Infinita Sinfonia

Helena Kolody

Curitiba: Inventa, 2014.

***

 

Por

Comentários

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Leia também