Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Capa do livro, A Princesa e a Costureira, no qual a polêmica peça é inspirada (foto: digvulgação).
Capa do livro, A Princesa e a Costureira, no qual a polêmica peça é inspirada (foto: digvulgação).
Educação dos filhos

Peça infantil com tema LGBT é promovida pela prefeitura de Jundiaí e famílias se revoltam

Apresentação teatral é inspirada num conto de fadas no qual a princesa se apaixona pela costureira de seu vestido de noiva

Uma peça de teatro baseada em um livro dedicado ao público infantil está causando polêmica na cidade de Jundiaí, em São Paulo. Trata-se da peça “A princesa e a costureira”, que será apresentada no próximo dia 18 de setembro, como parte das ações da 4ª Semana da Diversidade Sexual, evento promovido pela prefeitura. Embora ainda esteja para estrear, a má fama da peça entre famílias chegou antes à cidade. A obra é um conto de fadas com conteúdo LGBT, que traz a história de uma princesa prometida em casamento ao príncipe do reino vizinho, mas que acaba se apaixonando pela costureira de seu vestido.

A apresentação da peça está prevista para a Sala Jundiaí do Complexo Fepasa, às 19 horas, e, segundo a prefeitura em nota divulgada em sua página do Facebook, “não é direcionada ao público infantil”, afirmação que tornou a polêmica ainda mais intensa, já que a obra é inspirada justamente num conto de fadas destinado a crianças, segundo a própria autora da obra. A nota da prefeitura também afirma que a peça “não tem qualquer vínculo com o Sistema Municipal de Ensino”, possibilidade temida por vários críticos.

O que é “ideologia de gênero”?

A manifestação da prefeitura aconteceu após uma grande quantidade de críticas negativas feitas por famílias da cidade nas redes sociais e após sites cristãos passarem a divulgar o histórico da peça, que já causou polêmica em outras cidades. Entre os muitos questionamentos publicados na página da prefeitura, um dos mais comuns dizia respeito ao uso de recursos públicos na promoção do tema. A peça teve incentivo do Governo do Estado de São Paulo para ser produzida, como a própria autora do livro, Janaína Leslão, conta em um vídeo disponível em seu canal no Youtube. A viabilização do projeto veio por meio do Programa de Ação Cultural (ProAC).

Além das reclamações na internet, o grupo Jundiaí Pela Vida abriu uma petição online, na plataforma CitizenGo, solicitando que a peça seja retirada da programação cultural da cidade. De acordo com o texto da petição, o movimento está preocupado com o bem-estar das crianças e adolescentes. “Julgamos absolutamente prejudicial que a Prefeitura abra espaço para uma peça infantil que promove a sexualização precoce. Os contribuintes esperam que a prefeitura se concentre em resolver os problemas da cidade, e não em usar a estrutura pública para promover agendas ideológicas”.

Grupo de pais ameaça processar colégio católico de MG por adotar ideologia de gênero

Em nota enviada ao Sempre Família, Luiz Fernando Machado (PSDB-SP), prefeito de Jundiaí diz que acredita e sempre defenderá “princípios que dizem respeito à família jundiaiense”. Machado também disse que “em relação à inclusão da peça ‘A princesa e a costureira’ em eventos promovidos por uma ONG esta semana, cuja temática é contrária ao que eu sustento como pai, esposo e prefeito, quero aqui afirmar que não existe qualquer verba pública investida diretamente na realização desta atividade”.

Na tentativa de tranquilizar as famílias de Jundiaí, o prefeito também assumiu o compromisso de impedir que conteúdos como o tratado na peça sejam trabalhados na rede de ensino municipal. “Todas as peças de teatro e eventos devem obedecer à regulação de classificação por faixa etária”.

8 argumentos pediátricos que provam: não existem crianças transexuais

Influência precoce e precária

O pedagogo Felipe Nery, presidente da Rede Nacional de Direitos e Defesa da Família, aponta que a exposição de crianças a esse tema é precoce e precária, porque essa carga emocional de ideias que elas não têm condições de processar, pode trazer graves consequências. A criança, segundo ele, fica confusa quanto à sua identidade sexual e afetiva. “Há ainda um outro lado, onde a criança submetida a esse conteúdo não tem condições de discutir, ela só assimila. E o que acontece ao receber essa influência, é que ela vai se condicionando”, comenta.

Aos pais, Nery recomenda que, ao se sentirem ofendidos por um produto cultural como peça “A princesa e a costureira”, que os pais procurem os mecanismos legais de proteção, como o Ministério Público, por exemplo. Ele ressalta, contudo, a importância de um diálogo inicial a respeito do assunto. “Antes do pai fazer isso, é importante que o pai se una a outros e depois vá conversar com a instituição sobre a situação”. Nery também recomenda que os responsáveis por uma eventual reclamação também estudem o assunto antes de agirem, a fim de não prejudicar a própria iniciativa. “Do contrário as pessoas que estão do outro lado podem se sentir ofendidas, já que as visões são diferentes e aí é gerado um problema maior”. Nery avalia esse como sendo um ponto chave nesse tipo de discussão, já que ninguém pode impor qualquer perspectiva teórica, saindo do âmbito privado para o coletivo.

 

Veja a nota emitida pela prefeitura de Jundiaí:

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

2 Comentários
Leia também