Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Casamento e Compromisso, Comportamento

O que fazer quando o casamento entra em crise?

As crises são situações que surgem dentro de qualquer relacionamento interpessoal. No casamento, elas podem e devem ser superadas com boa vontade e uma dose de inteligência emocional

Antes que uma crise se manifeste, surgem sinais de que algo não está bem na relação, colocando em alerta o casal. Desentendimentos frequentes, discussões por pouca coisa, brigas, falta de contato físico, falta de alegria em casa são apenas alguns sinais de que há algo errado e que uma crise pode estar próxima. Mas nem todas as pessoas conseguem identificar esses indícios – outras conseguem percebê-los, mas negam sua existência – o que só contribui para o agravamento do problema.

Por mais grave que seja, uma crise matrimonial não precisa significar o fim do relacionamento. Tendo boa disposição e usando os meios adequados, é possível superar as dificuldades e fortalecer a relação, que se tornará mais madura, e aprender como enfrentar futuros desafios.

Veja abaixo oito pontos que devem ser considerados no caso de crises conjugais e que colocados em prática podem ajudar a levá-las a um final feliz.

Aceite que há uma crise

Para poder enfrentar os problemas, primeiro é preciso ter consciência de sua existência e aceitar que eles estão acontecendo. É frequente encontrar casais que preferem fingir que não há nada de errado ou dizer que o cônjuge está exagerando, fazendo “tempestade em copo d’água”, ao falar em crise. Isso acontece por temor de aceitar a realidade, porque não querem sair de sua zona de conforto ou porque simplesmente acham que o tempo irá solucionar o problema.

Não piore as coisas

Quando o casal vive uma crise, o ambiente que o rodeia costuma ficar pesado, negativo e há certa disposição para os conflitos. Por isso se deve evitar que a situação se torne mais grave ainda, com discussões ou brigas desnecessárias. Tente manter a calma, evite críticas, ataques ou desmerecimentos ao outro. O autocontrole é essencial.

Empenhe-se em mudar

Se há verdadeira intenção de recuperar a harmonia conjugal e sair do terreno pantanoso da discórdia, o primeiro a fazer é apresentar uma atitude positiva. Para que as coisas mudem, é preciso começar a mudança em si, mesmo que o cônjuge não mostre nenhuma intenção de mudar. O êxito de um matrimônio não consiste em encontrar uma boa pessoa, mas em ser uma boa pessoa. Todos nós temos defeitos e, às vezes, uma crise conjugal pode ser desencadeada ou agravada por causa deles. Identifique em que você pode melhorar e se empenhe em ser uma pessoa melhor.

Boas lembranças

Em tempos de crise é importante lembrar-se dos momentos felizes passados juntos: os primeiros anos do casamento, o namoro, o nascimento dos filhos, as conquistas do casal, a viagem de lua de mel etc. Essas boas lembranças compartilhadas ajudam os cônjuges a perceberem que a crise é um problema localizado, e que vale a pena lutar para superá-lo.

Não se feche ao diálogo

A crise prejudica a comunicação entre os esposos e, quando a comunicação falha, tudo o mais falha. É preciso tentar falar com o cônjuge sobre a dificuldade vivida, sobre tudo o que está acontecendo e, através do diálogo, buscar uma saída para o problema. Mas esse diálogo precisa acontecer de forma tranquila, respeitosa e sem raiva ou ressentimento. Não tente conversar com seu cônjuge se você não puder controlar seus impulsos ou se estiver muito nervoso.

Sempre há algo para fazer

Quando se vive uma crise matrimonial, é comum que surja a ideia de separação. Isso é resultado de um ambiente fatalista que nos rodeia e que quer anular nossa capacidade de lutar.  Tudo na vida requer esforço e dedicação e as dificuldades matrimoniais não são exceção. Desde que exista o desejo de melhorar as coisas, sempre haverá algo a ser feito. Precipitar-se e desistir não é a melhor solução.

Busque ajuda

Em alguns casos não bastam as boas intenções. A orientação de um especialista ou de alguém de confiança, mas alheio ao assunto, pode ajudar a ver o assunto de forma mais objetiva, desmontando dúvidas ou ideias equivocadas. É natural que cada cônjuge dê um enfoque diferente ao problema, geralmente culpando o outro. O orientador ajuda a canalizar os pontos de vista dos cônjuges para a busca de uma solução para o problema.

Use a crise para crescer

Toda crise gera uma mudança, um impacto que deve ser positivo e que aprofunda o relacionamento. Crise não é sinônimo de desamor. O importante é superá-la e a partir dela – uma situação negativa – melhorar ainda mais o relacionamento e reforçar o compromisso matrimonial com o outro. A maturidade adquirida pelo casal ao enfrentar e sair de uma crise poderá ajudar a resolver com mais facilidade eventuais problemas futuros.

Do site LaFamilia.info.

Tradução Jocelaine Santos.
5 Comentários
Leia também