Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
bigstock-Quill-pen-and-ink-well-resting-89718662
bigstock-Manilla-Canvas-Envelope-4872530
Equipe Frases e Mensagens

Frases e Mensagens

As palavras certas para cada ocasião

10 frases de João Paulo II, Bento XVI e Francisco sobre as mulheres

Os últimos papas se puseram constantemente em defesa das mulheres, denunciando a discriminação que elas sofrem e ressaltando a sua dignidade.

A luta contra a discriminação das mulheres não passou à margem da preocupação dos papas dos últimos tempos. De João Paulo II, que dedicou toda uma carta apostólica – chamada Mulieris Dignitatem – à vocação da mulher, a Francisco, que apela com frequência para que as mulheres tenham mais espaço na Igreja e na sociedade, passando por Bento XVI, que também defendeu intransigentemente as mulheres, todos eles se puseram ao lado delas e contra uma mentalidade machista.

O Frases e Mensagens selecionou dez frases marcantes dos últimos três papas sobre o valor da mulher. Confira:

“A história registra quase exclusivamente as conquistas dos homens, quando, na realidade, uma parte importantíssima da mesma se deve a ações determinantes, perseverantes e benéficas realizadas por mulheres.”

– Bento XVI, discurso, 22 de março de 2009

“Considera-se comumente que a mulher, mais do que o homem, seja capaz de atenção à pessoa concreta, e que a maternidade desenvolva ainda mais esta disposição. O homem – mesmo com toda a sua participação no ser pai – encontra-se sempre ‘fora’ do processo da gestação e do nascimento da criança e deve, sob tantos aspectos, aprender da mãe a sua própria ‘paternidade’.”

– São João Paulo II, Mulieris Dignitatem, n. 18

“Quando falta a mulher, falta a harmonia. (…) O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela.”

– Francisco, homilia, 9 de fevereiro de 2017

“‘Grandes coisas fez em mim o Todo-poderoso’ (Lc 1, 49): essas palavras (…) podem significar também a descoberta da própria humanidade feminina. ‘Grandes coisas fez em mim’: esta é a descoberta de toda a riqueza, de todos os recursos pessoais da feminilidade, de toda a eterna originalidade da mulher, assim como Deus a quis, pessoa por si mesma, e que se encontra ao mesmo tempo por um dom sincero de si mesma.”

– São João Paulo II, Mulieris Dignitatem, n. 11

“Ainda persiste uma mentalidade machista que ignora a novidade do cristianismo, o qual reconhece e proclama a igual dignidade e responsabilidade da mulher em relação ao homem. Existem lugares e culturas em que a mulher é discriminada ou subestimada unicamente pelo fato de ser mulher, onde se faz recurso até a argumentos religiosos e a pressões familiares, sociais e culturais para sustentar a desigualdade dos sexos, onde se perpetram atos de violência contra a mulher, tornando-a objeto de crueldades e de exploração na publicidade e na indústria do consumo e da diversão.”

– Bento XVI, discurso, 9 de fevereiro de 2008

“Mediante a resposta de fé, Maria exprime a sua livre vontade e, portanto, a plena participação do ‘eu’ pessoal e feminino no evento da Encarnação.”

– São João Paulo II, Mulieris Dignitatem, n. 4

“O gênio feminino é necessário nos lugares em que se tomam as decisões importantes.”

– Francisco, entrevista ao padre Antonio Spadaro, 19 de agosto de 2013

“A mulher representa um valor particular como pessoa humana e, ao mesmo tempo, como pessoa concreta, pelo fato da sua feminilidade. Isto se refere a todas as mulheres e a cada uma delas, independentemente do contexto cultural em que cada uma se encontra e das suas características espirituais, psíquicas e corporais, como, por exemplo, a idade, a instrução, a saúde, o trabalho, o fato de ser casada ou solteira.”

– São João Paulo II, Mulieris Dignitatem, n. 29

“A história do cristianismo teria tido um desenvolvimento muito diferente se não houvesse a generosa contribuição de muitas mulheres.”

– Bento XVI, audiência geral, 14 de fevereiro de 2007

“Muitas coisas podem mudar, e com efeito mudaram, na evolução cultural e social, mas permanece um dado: é a mulher que concebe, que traz no seu seio e que dá à luz os filhos dos homens. E este não é simplesmente um dado biológico, mas encerra em si uma riqueza de implicações quer para a própria mulher, em virtude do seu modo de ser, quer para as suas relações, em função da sua maneira de se colocar em relação à vida humana e à vida em geral. Chamando a mulher à maternidade, Deus confiou-lhe o ser humano de forma inteiramente especial.”

– Francisco, discurso, 12 de outubro de 2013

***

Por

Comentários

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Leia também