Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
path3371
foto minha
Jônatas Dias Lima

Blog da Vida

Bioética e o movimento pró-vida pelo mundo

Jovem mãe aborta seu filho em clínica e se suicida horas depois

Caso ocorreu nos Estados Unidos, onde as consequências psicológicas em quem faz aborto são comprovadamente graves

Bigstock
Bigstock

Uma jovem da cidade de Wichita, no Kansas, EUA, suicidou-se com um tiro poucas horas depois de abortar o seu filho em uma unidade da Planned Parenthood, a maior rede de clínicas de aborto do mundo. O caso aconteceu no fim de junho e fui divulgado por Mark Gietzen, da Coalizão pela Vida do Kansas (KCFL, na sigla em inglês).

Alishia tinha 20 anos de idade e estava afastada da sua família por ter se envolvido com drogas. Segundo Gietzen, ela não tinha onde morar, mas “queria muito ser uma mãe amorosa”. Ela estava em contato com a KCFL desde o começo de junho, mas decidiu abortar porque achava que o bebê já estava comprometido devido ao seu consumo de drogas e álcool.

Trump proíbe o financiamento público de ONGs que promovem e realizam abortos no exterior

Ela abortou na unidade da cidade de Overland Park, a três horas de viagem de Wichita, onde também há uma unidade da Planned Parenthood. De acordo com Gietzen, Alishia “não queria lidar com os voluntários da KCFL que ficam junto à entrada da unidade de Wichita”.

Embora alguns pesquisadores tentem demonstrar que o aborto não causa repercussão psicológica negativa, especialistas apontam falhas em estudos do tipo. Segundo o doutor Randall K. O’Bannon, diretor de educação da associação National Right to Life, “as mulheres que pensam em abortar precisam estar cientes de que a síndrome pós-aborto é uma reação real e dolorosa que muitas mulheres de fato desenvolvem”.

 

Com informações de Live Action.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Por

Comentários

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Leia também