Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Educação dos filhos

Associação de pediatria dos EUA declara-se formalmente contra a ideologia de gênero

Médicos afirmam que, na infância, quando um menino quer se tornar menina há um “problema psicológico objetivo”

Uma das associações médicas de pediatria mais influentes dos Estados Unidos publicou uma dura nota contra a teoria de gênero – também chamada de ideologia de gênero – como fundamento de políticas públicas. A declaração do American College of Pediatricians alerta educadores e parlamentares para que rejeitem qualquer medida que condicione as crianças a aceitarem como normal “uma vida que personifique química e cirurgicamente o sexo oposto”. A nota do grupo médico afirma, enfaticamente que “os fatos, não a ideologia, é que determinam a realidade”.

Leia uma tradução da íntegra da associação:

1 – A sexualidade humana é uma característica biológica binária objetiva: “XY” e “XX” são marcadores genéticos saudáveis – e não marcadores genéticos de uma desordem. A norma da concepção humana é ser masculino ou feminino. A sexualidade humana é planejadamente binária com o propósito óbvio da reprodução e da prosperidade da nossa espécie. Esse princípio é autoevidente. As desordens extremamente raras no desenvolvimento sexual, que incluem, entre outras, a feminização testicular e a hiperplasia adrenal congênita, são todas desvios medicamente identificáveis da norma binária sexual, e são com razão reconhecidas como desordens da formação humana. Indivíduos que as portam não constituem um terceiro sexo.

2 – Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. O gênero (uma consciência e um senso de si mesmo como homem ou mulher) é um conceito sociológico e psicológico, e não biologicamente objetivo. Ninguém nasce com a consciência de si como homem ou mulher: essa consciência se desenvolve com o tempo e, como todo processo de desenvolvimento, pode ser prejudicada por percepções subjetivas da criança, relacionamentos e experiências adversas desde a infância. Pessoas que se identificam como “se sentissem do sexo oposto” ou “nem masculinas nem femininas, algo entre os dois” não constituem um terceiro sexo. Elas permanecem, biologicamente, homens e mulheres.

3 – A crença de uma pessoa de ser algo que ela não é, na melhor das hipóteses, é um sinal de pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita que é uma menina, ou uma menina biologicamente saudável acredita que é um menino, existe um problema psicológico objetivo, que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado dessa forma. Essas crianças sofrem de disforia de gênero, formalmente conhecida como transtorno de identidade de gênero, uma desordem mental reconhecida na edição mais recente do Manual Diagnóstico e Estatístico da American Psychiatric Association. A psicodinâmica e as teorias de aprendizagem social dessa desordem nunca foram refutadas.

4 – A puberdade não é uma doença e a injeção de hormônios bloqueadores da puberdade pode ser perigosa. Reversíveis ou não, hormônios bloqueadores de puberdade induzem um estado de enfermidade – a ausência de puberdade – e inibem o crescimento e a fertilidade em uma criança anteriormente saudável biologicamente.

5 – Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico, 98% dos meninos e 88% das meninas confusos com seu gênero aceitam o seu sexo biológico naturalmente ao passar pela puberdade.

6 – Crianças que usam bloqueadores de puberdade para personificar o sexo oposto precisarão de hormônios do sexo oposto no final da adolescência. Esses hormônios estão associados com graves riscos para a saúde, incluindo pressão alta, coágulos sanguíneos, AVC e câncer, mas não se limitando a isso.

7 – As taxas de suicídio são vinte vezes maiores entre adultos que usam hormônios do sexo oposto e passam por cirurgias de mudança de sexo, mesmo na Suécia, que é um dos países de maior ação afirmativa LGBQT. Que pessoa razoável e compassiva condenaria crianças a esse destino, sabendo que depois da puberdade 88% das meninas e 98% dos meninos aceitarão o seu sexo real e terão saúde física e mental?

8 – Condicionar as crianças a acreditar que uma vida inteira de personificação química e cirúrgica do sexo oposto é normal e saudável é abuso infantil. Apoiar a discordância de gênero como normal através da educação pública e de políticas legais confundirá as crianças e os pais, levando mais crianças a procurar “clínicas de gênero”, onde tomarão drogas bloqueadoras da puberdade. Por sua vez, isso garantirá que elas “escolherão” uma vida toda de hormônios cancerígenos e tóxicos e provavelmente considerarão passar por uma mutilação cirúrgica desnecessária de partes saudáveis do seu corpo ao chegar à vida adulta.

 

O texto original encontra-se aqui.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

 

82 Comentários
  1. A *disforia* de gênero é a discrepância entre a anatomia sexual e a identidade sexual (como a pessoa se sente), uma realidade tão presente como a realidade de que eu sou canhoto.

    Já a *ideologia* de gênero afirma que a identidade sexual não é influenciada de modo algum pela biologia, mas se trata de mera imposição de expectativas sociais. Tal pensamento teórico rejeita totalmente as pesquisas biológicas e suas evidências sobre a diferença inata de interesses e comportamentos entre os dois sexos: https://youtu.be/G0J9KZVB9FM?t=33m50s

    Trata-se de uma ideologia, e não uma simples ideia, porque *usa a vontade para alienar a consciência da realidade*, induzindo ao engano. Eis o que querem fazer com nossas crianças, nas escolas, por meio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

    Se a BNCC for aprovada do jeito que está, os pais não terão mais o direito de serem contrários a este engodo.

  2. Algumas considerações sobre o assunto:
    1 – O texto médico citado não é da Sociedade Americana de Pediatria, mas sim do American College of Pediatricians.
    A Sociedade Americana de Pediatria (oficialmente chama American Academy of Pediatrics ou simplesmente A.A.P.) foi fundada em 1930 e conta atualmente, com mais de 64.000 membros.
    2 – O American College of Pediatricians (ACP), foi fundado em 2002 e é uma espécie de “rival” da A.A.P. pois seus membros consideram que a A.A.P. é uma entidade influenciada por ideais políticos.
    A ACP se auto intitula como uma entidade científica conservadora e defende, entre outras coisas, que as crianças devem ser criadas em um ambiente familiar onde exitam pai e mãe (masculino e feminino) além de rejeitar veementemente a ideologia de gênero pois consideram esse assunto com sendo uma opinião politico-ideológica e sem base científica sólida.
    Algumas pessoas acusam a ACP de ser uma entidade anti-LGBT, orientada por valores religiosos e não científicos, além de não oferecer nenhum curso de atualização ou educação médica, ao contrário da A.A.P.
    3 – Quem quiser saber mais sobre a rivalidade entre essas 2 entidades, basta digitar no Google o seguinte termo:
    —–American Academy of Pediatrics versus American College of Pediatricians—-
    Leiam os resultados usando bastante critério.

    Seguem os links das 2 entidades
    —— American Academy of Pediatrics
    https://www.aap.org/en-us/Pages/Default.aspx

    —– American College of Pediatricians
    https://www.acpeds.org/

  3. Deixa ver se entendí direito esse renomado grupo disse que ideologia é invenção e que existe e se nasce macho e femea, isso concordo, se alguem diz que nasceu mulher no corpo de homem é errado tem problemas de aceitação e psicologico isso aceito tb, aí vem um grupo dizer que isso é politica, ou seja a mesma ideia de genero tb vale para quem ja nasce com tendencias de psicopatas , assassinos, estupradores, doutores, governadores, chefes, lideres, pajes, dono de xangô, jogadores de todos os tipos de jogos coletivos, corredores, nadadores e toda sorte de habilidade nja nasce com ela?porque a ideia de quem aceita a ideologia é que existe mais de dois tipos de sexo,creio que sera ou tem uns 7, ou 8, ou mais pois a cada dia aparece um, com o objetivo de destruir a familia, valores, controle populacional, controle social com o esfacelamento da sociedade, pois com o descontrole vem o controle absoluto!

  4. Pelo visto, estes pediatras possuem grande autoridade para falar de genética. Mal conseguem ter um conhecimento básico de genética, imagina opinar desta forma, dando a crer que possuem conhecimento vasto na área, como se fossem doutorandos e PHDs na área. Patético! Só existe XX e XY e as outras são desordens, são desordens porque vcs nomearam assim. Porque vcs patologizaram o que é diferente. Existem muitos intersexos saudáveis e podem se reproduzir. E como não existe terceiro gênero se para outras culturas no passado existiram? Como no caso das línguas mortas como o Latim que tinha além do gênero masculino e feminino, o neutro. E, que devido aos três gêneros, por exemplo, uma pessoa Gallae, transexual no império romano, eram referidos no gênero feminino e neutro, porém, contudo, jamais no masculino. Isto prova que a construção do sexo e do gênero numa sociedade, é uma construção social movida por força da cultura local. Estes pediatras precisam de umas aulas de antropologia, isto serve para os demais conservadores!

    • Mais biologicamente eram macho e femea, não eram? Ou para serem identificados eles viviam engatados um no outro? Como que eles se reproduziam? Era através do sexo anal ou briga das aranhas? Como é que esta espécie subsistiu? Foi fazendo lavagem cerebral nas demais pessoas ou através de leis impostas para o resto da população com ameaças de prisões ou serm jogadas nas masmorras?

    • Lika,

      A *disforia* de gênero é a discrepância entre a anatomia sexual e a identidade sexual (como a pessoa se sente), uma realidade tão presente como a realidade de que eu sou canhoto.

      Já a *ideologia* de gênero afirma que a identidade sexual não é influenciada de modo algum pela biologia, mas se trata de mera imposição de expectativas sociais. Tal pensamento teórico rejeita totalmente as pesquisas biológicas e suas evidências sobre a diferença inata de interesses e comportamentos entre os dois sexos: https://youtu.be/G0J9KZVB9FM?t=33m50s

      Trata-se de uma ideologia, e não uma simples ideia, porque *usa a vontade para alienar a consciência da realidade*, induzindo ao engano. Eis o que querem fazer com nossas crianças, nas escolas, por meio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

  5. sou contra, quem quiser ensinar essas coisas absurdas, vá parir primeiro, mais não queira impor essas nojeiras nas cabeças das crianças inocentes, claro, que vai fazer confusão na mente da criança. deixe as crianças viver seus momentos de inocência, depois cada um faz suas escolhas na adolescência. mais a criança ela quer brincar e viver o seu momento de crianças, mente e coração limpo. essas nojeiras são os adultos que querem colocar na mente inocente da criança. misericórdia, vivam suas vidas e deixem as crianças dos outros, os pais e que tem a obrigação de educa-los e ensina-los, no momento certo.

  6. Cuidado com hoax de internet. A “American College of Pediatricians”, autora do artigo, é um grupo de lobby político conservador com cerca de 500 membros. A Associação de Pediatria dos EUA é a American Academy of Pediatrics, com mais de 60 mil membros, e posições diametralmente opostas à do artigo de opinião acima. É desonestidade intelectual da ACP se vender como uma associação científica quando é, na verdade, uma organização de cunho absolutamente ideológico.

    • O artigo escreve pediatria com p minusculo e em seguida afirmou que: “Uma das associações médicas de pediatria mais influentes dos Estados Unidos” desse modo deixando claro que não se tata da Associação de Pediatria dos EUA.
      Sobre ser um grupo de lobby político ocorre que toda organização que procura de algum modo interferir em um processo legislativo por meio de estudos científicos está fazendo lobby contra ou a favor de uma determinada causa. Assim sendo todas as associações cientificas de renome ou prestigio fazem lobby quando se posicionam contra ou a favor de uma lei.
      E não se pode apenas tomando por base a cosmovisão ou os valores de uma organização, que no caso em questão é conservadora, concluir que a mesma é “de cunho absolutamente ideológico” . Nos EUA o conceito de conservador se contrapôe ao de liberal, então qualquer grupo cujos valores sejam liberais devem também ser considerados como “organização de cunho absolutamente ideológico”.
      O nível de uma associação cientifica é função da qualidade de seus membros enquanto cientistas, o que se verifica pela analise seus respectivos currículos profissionais e também do número de associados em comparacão com organizações semelhantes. São esses os fatores que devem ser avaliados para verificar o grau de importância de uma organização cientifica. Não interessa se são conservadores ou liberais.

  7. A prestigiosa revista The New Atlantis publicou a pesquisa realizada pelos peritos Lawrence Mayer, epidemiologista e membro do departamento de Psiquiatria da reconhecida Faculdade de Medicina da Universidade John Hopkins; e o psicólogo e psiquiatra Paul McHugh, “talvez o psiquiatra mais importante dos últimos 50 anos”, assinala a publicação. O estudo é intitulado “Sexualidade e Gênero: Descobertas das ciências biológicas, psicológicas e sociais”. “Os estudos científicos não corroboram a hipótese de que a identidade de gênero seja uma propriedade inata e fixa do ser humano e independente do sexo biológico; ou seja, que uma pessoa seja ‘um homem preso em um corpo de mulher’ ou ‘uma mulher presa em um corpo de homem’”, assinala a pesquisa. É o mais importante Desta pesquisa, pois foi realizada com médicos de várias áreas e que se torna a maior pesquisa feita até hoje sobre o assunto. Fonte: http://www.thenewatlantis.com/publications/number-50-fall-2016

  8. Pior de tudo é ter como base o falso moralismo de família criada pelas religiões a seculos atras como aquela baboseira “Deus criou o homem e a mulher”, (conforme o livro que foi escrito 1 500 a.C. e 450 a.C por cerca de 40 autores) muito ridículo na sociedade moderna que vivemos hoje onde lutamos por nossos direitos ainda tenha como base um livro que entre a antiguidade e a idade média sofreu distorções e acréscimos ou seja podemos considerar que não foram apenas os 40 “Inspirados pelo Espírito Santo” os textos foram modificados nos últimos séculos (wikipedia) que também é considerada ferramenta do “demônio” assim como muitos animes, filmes e animações que assisto e principalmente meu estilo de vida mesmo que não faça mal a ninguém o ideal seria cada um cuidar de sua própria vida e guardar seus julgamentos medievais para si próprio, acreditam que há um céu de luz para você heterossexual que segue todos os ensinamentos das escrituras que não tem pensamentos pecaminosos com ele/ela do próximo que não mente, não rouba vai ser salvo só por que não teve relações homossexuais parabéns pela sua ideologia retrograda.

    • Parabéns por fortalecer minha visão de que esse suposto livro escrito há muito tempo continua hiper atual. Pois, quando foi escrito ja tinha pensamentos estranhos circulando pelas mídias da epoca. Há pessoas que não poderão entender certos preceitos do livro a menos que o inspirador permita.

    • Paulo, gostaria que me respondesse a seguinte pergunta:

      “como base um livro que entre a antiguidade e a idade média sofreu distorções e acréscimos”

      Quem fez as distorções desses livros? Fica aqui a minha pergunta, visto que a bíblia é um livro que segue uma única linha de raciocínio: O Reino de Deus vai destruir todas as formas de governos e somente ele é a solução para nossos problemas. (Daniel 2:44)

      Gostaria muito que me mostrasse evidências que deixam claro essas “distorções”, lembrando sempre que os escritos antigos, muitos deles ainda existem em forma de pergaminhos e alguns até mesmo em papiros… lembrando também que embora alguns tradutores possam “alterar” algumas palavras, o seu ponto central e o sentido continua sendo o mesmo.

  9. Affe, que tempestade em copo d’água! Essa famigerada ideologia de gênero tem basicamente um único objetivo: inclusão social. Coloquem-se por favor no lugar dessas pessoas. É evidente que existe um obstáculo na vida delas, o chamado preconceito. A idéia de incluir outros sexos não é pra “ensinar” crianças a serem o que não são. É pra ensinar as crianças a aceitarem os diferentes. Pode acontecer da criança não encontrar ninguém diferente? Pode. Mas pode acontecer de encontrar. E quando isso acontecer, ela potencialmente vai excluir a outra. E não venham me dizer que isso não acontece, porque isso acontece sim. E tem outra, ensinar sobre a existência de pessoas que se comportam sexualmente de forma diferente não vai fazer com que as crianças “virem gays”. Oras, conheço muitos exemplos de crianças (heterossexuais) que sofreram bullying e foram chamadas de gays desde criança e nem por isso “mudaram” sua sexualidade. Aprendam por favor com os holandeses, suecos, finlandeses, suíços, etc.: “abrir a cabeça das crianças faz bem pra todo mundo”.

    • “Aprendam por favor com os holandeses, suecos, finlandeses, suíços, etc.: “abrir a cabeça das crianças faz bem pra todo mundo”
      Devemos copiar toda a legislação dos referidos povos?
      Quando as nossas leis e as deles se contradizem, eles estão necessariamente com a razão? Devemos ter fuzis em casa como os suiços? Multar homens que buscam prostitutas como os suecos? E quando eles se contradizem, devemos seguir quem?

  10. Eu acredito num mundo moral onde as leis da natureza são equilibradas da forma que são. Não acredito na ideologia de gênero, pois Deus não errou em sua criação. Acho imoral querer ensinar crianças a se transformarem em homossexuais e deixarem
    a sua origem. John Loke , filósofo que via a mente de uma criança como um quadro branco aonde pudesse ser escrito algo que contribuísse para o crescimento e a formação do caráter dessa criança. Pergunto : Será justo querer ensinar uma criança que possui o seu sexo natural a optar em ser uma menina? Isso é imoral, pois estão sendo induzidos a serem o que eles não são.

  11. Não precisamos de muita força para provar tal evidência só leia: Você nasceu homem ou mulher? Caso não sabia é só olhar para o meio de suas pernas o resto é só vontade…eu também quando nasci achava ser tanta coisa, um leão, supermen, homem aranha, mais vi depois que não rugia nem voava nem escalava.

  12. Hoje é muito comum as pessoas seguirem uma tendência e quem não segue é preconceituoso ou homofóbico. estão querendo manipular as crianças quanto a identidade de gênero pois assim é mais fácil ter um adulto homossexual. Não existe outro gênero que não seja macho ou fêmea pois somos definidos por xy ou xx esta são as formas que nos definem.

  13. Espero contribuir deixando o meu ponto de vista exclusivamente sobre o texto em questão.
    Li vários comentários, alguns criticando e descordando da essência do assunto, defendendo seu ponto de vista sobre gênero e homossexualidade. Outros com muitas críticas contrárias sobre a questão da homossexualidade e de gênero. Que para mim foi a forma que encontraram para tentar convencer a sociedade da naturalidade desse comportamento. Por fim, o que o texto questiona é o simples fato de violentarmos psicologicamente as nossas crianças, e até biologicamente, em defesa de uma ideologia. Sugere que tudo aconteça de forma natural.

  14. Estão questionando a credibilidade e buscando desqualificar a entidade médica baseados em wikipedia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Tem que ser muito retardado pra não saber que wikipedia pode ser editado por qualquer pessoa e que as informações não merecem qualquer crédito… Tente defender uma tese acadêmica usando wikipedia! Quanto as fontes do texto que cita a quantidade de membros, é um link da AAP (que em sí não prova nada) e um suposto link no site da American College of Pediatricians que simplesmente não existe.. Duas “sólidas fontes”não é mesmo????????????? Ahhhh… Me poupem!

  15. Deixem as criancas serem apenas criancas, com sua inocência, podem falar o que quiserem, mas qualquer besteira causa traumas, feridas que nunca cicatrizam! Que vão fazer depois de 30 anos a pessoa chorar! Por isso a integridade, física, mental, a inocência, o seculo 19, 18… deve ser preservado SIM, até que a criança deixe se ser criança e entenda e seja forte e consiga fazer julgamentos. Aí eh problema dela se vai virar gay, virar etero, virar lobisomem!

  16. The American College of Pediatricians (ACPeds) is a small, socially conservative advocacy group of pediatricians and other healthcare professionals in the United States.[1]

    The group was founded in 2002 by a group of pediatricians, including Joseph Zanga, a past president of the American Academy of Pediatrics (AAP), as a protest against the AAP’s support for adoption by gay couples.[2][3] The group’s membership has been estimated at between 60 and 200 members,[2][4] in contrast to the AAP’s over 60,000 members.[5]

  17. Bom dia! Gostaria de deixar a minha avaliação sobre o tema e espero que contribua. Parei para ler os textos originais, refletir sobre as colocações dos cientistas e suas bases para cada afirmação. Cada argumento trás, no texto original, fundamentos científicos consistentes, que podem auxiliar nas conclusões. Li em alguns comentários sobre o referido texto, algumas colocações contraditórias e quero tentar elucida-las para não gerar mais desinformação.
    Em primeiro lugar, leiam o texto e vejam como ele não se atem dar juizo de valor à opção sexual do adulto ou mesmo do adolescente pós pubere, significando que ele não é contrário à opção sexual dos indivíduos em sua fase de plenitude de esclarecimento sexual!
    Um outro ponto que fica evidente nos comentários , é a insinuação de que o texto seja tendencioso. Mas como pode ser tendencioso se abordou o tema de forma pontual, dando ênfase aos aspectos biológicos ( genéticos e físicos ) e abordou de forma correta as definições de sexo e gênero? NÃO, o texto acima não tem características tendenciosas e muito menos homofóbicas!
    O texto não pode ser considerado um sofisma, se tem como base ensaios científicos, e aplicação da medicina baseada em evidências!
    É só ler o texto acima e ver que não há “bagunça” de idéias. O que existiu foi bagunça de interpretação por parte do leitor, ao se deparar com um texto não alinhado com suas ” verdades” , e na tentativa de desacreditar a idéia, atribui- lhe confusão!
    Disforia de gênero é uma alteração, da qual a medicina oferece formas de apoio tanto psicológicas, quanto hormonais, mas após a puberdade e na fase adulta, o respeito à opção sexual é preponderante! Aplicar isto a uma criança ainda em 2° infancia é que se questiona de forma relevante no texto.
    Debater o tema não é o mesmo que combate-lo.
    Não há desrespeito e muito menos marginalização do transgênero, pelo contrário, o texto trás à tona os riscos sofridos pelo não reconhecimento dos sintmad, e a decisão de tomar medicamentos e estabelecer tratentos dem um bom acompanhameto médico e psicológico! Dizer o contrário, é querer denegrir a credibilidade dos autores!
    Por fim, opiniões baseadas em evidências científicas e na observação clínica, não podem ser taxadas como sofisma. E embora ainda não existam estudos que comprovem os potenciais danos causados a uma criança na aplicação das alternativas de readequação de sua “sexualidade” , propostas pela teoria/ ideologia de gênero, é fundamental pensar que atitudes definitivas, radicais e baseadas apenas em situações que podem ser transitórias, podem estragar a vida de uma pessoa para sempre!
    Muito obrigado pela atenção! Estou à disposição para conversarmos sobre o assunto!

  18. O ser humano vai muito além do biológico… Ver esse tipo de posicionamento no séc XXI é um total absurdo…
    Cada pessoa é uma pessoa, um indivíduo único… Não há como criar padrões de comportamento, pois isso não funciona com o ser humano… Cada um teve sua história na infância, sua carga genética, o atravessamento de processos complexos de maturação psíquica e tudo isso irá ser fundamental para o ser que no futuro possa encontrar o seu jeito de ser no mundo…

    • Você tocou em todos os pontos, tudo se inicia na carga genética que determina nossa plataforma (chassi) – homens/mulheres, refinando-se em seus acessórios – características físicas. Realidades vividas e a forma determinada pela genética faz com que cada um interprete de uma forma única as experiências vivenciadas e como tais contribuem para o amadurecimento psíquico e emocional do índivíduo para o desenvolvimento de um egossintônico ou distônico (traduzindo egodistônico = distúrbio do “eu”) . Assim como, se de nossa genética podemos desenvolver problemas clínicos, que merecem tratamento clínico, lanço a pergunta: a mesma genética interferindo no desenvolvimento comportamental (podendo ser responsável por distúrbios)- não mereceria a mesma atenção terapêutica psicológica? Pois se justificarmos pela genética que a ideologia de gênero é uma consequência do “acaso” o mesmo se aplica para as questões clínicas, podendo-se assim dizer tratar-se da particularidade do indivíduo qq distúrbio clínico genético (alguns tipos de cânceres, por exemplo). Desta forma não seria de se espantar se as operadoras de saúde passassem a solicitar perfis genéticos antes de fazerem cobertura dos tratamentos , se forem de causas relacionadas a genética estaremos a deriva num mar de problemas.
      Discuto com vc qdo se refere a não existir padrão de comportamento, talvez o que queira ter dito é não haver “gabarito” de normalidade, mas há um espaço onde se transita pela normalidade, o qual podemos chamar de padrão, caso não houvesse, me seria permitido te dar um tapa no rosto uma vez que tal comportamento não estaria fora dos limites de um padrão de normalidade certo? Da mesma forma, dentro da espécie humana, tbém não temos a mesma aparência, mas temos as mesmas características que nos define como espécie.
      Assim, seja físico seja comportamental a espécie tem um parâmetro de definição.

  19. Concordo plenamente, se para um animal a dose de anti concepcional aumenta significativamente as chances de câncer, imagino um tratamento desse porte. Todos críticam as mulheres que buscam a beleza por meios de tratamentos diversos inclusive cirúrgico, isso não é diferente. Na minha opinião é ainda pior, pois vai contra a natureza a lei de Deus, use o argumento que for a verdade é essa, e ela é soberana.

    • Creio muito em Deus mas loguei só para lhe fazer esta pergunta. Deus já veio conversar com vc sobre este assunto?? Estamos falando de ciência e psicologia. Nada tem com Deus. O dia que vc me disser que Deus veio até você e provar isso e falar que isso não é coisa de Deus eu continuo a conversa. Não devemos usar antolhos como os cavalos para nada nesta vida. Está mais do que provado que tudo muda a cada dia, inclusive a Bíblia que basta fazer uma pesquisa e existirão milhares de versões alteradas pelo homem de acordo com o século em que vivia. Crer e confiar em Deus é uma coisa, ser cego por conta de religião é outra. Acha que realmente Deus ama ser citado tantas vezes na internet sem fundamento? Aqui está discutindo genética, DNA, psicologia. Guarde Deus para as reuniões de igreja, ou como eu faço todos os dias com um bate papo com ele olhando o mar, mas um dos grande mandamentos é Não usar seu Santo Nome em vão!! Pense nisso!

      • Olá Simone, te convido a pensar: Ciências e Deus estão intimamente ligados, já que uma explica as obras do Criador, nos torna mais próximos e admiradores da sua grandeza. Concordo com vc quando diz que tudo muda, essas mudanças inclusive são amplamente discutidas nas profecias bíblicas para quem tem o hábito de estudá-las (não lê-las) é fascinante como se passa a ler os jornais com uma visão critica e não cega da realidade que vivemos, mas não posso concordar com vc qdo diz que a Biblia muda, pois nela mesma Deus se refere que até que os céus e a terra passem, nem uma letra nem uma virgula serão tiradas da Lei sem que tudo se cumpra. (Mat 5:18), Texto semelhante se encontra em Apoc 22:19, enfim… E por que não se muda? porque É um livro não só histórico, historia não se muda, e profético, profecia se cumpre, portanto estamos em momento de se observar até o encerramento do capitulo final…a Volta de Cristo :). Grande abraço

  20. Esse texto é um sofisma puro. Na publicação original há as referências de todos os argumentos. Eu li um por um dos que me pareciam contrastantes com o que eu já estudei sobre o assunto. Enfim, vou explicar os argumentos desse pessoal um por um, pq é um assunto muito importante, que deixa muita gente confusa, e esse pronunciamento é muito tendencioso.
    1- que o sexo é binário, todo mundo sabe. Por isso o nome é ideologia de GÊNERO. O gênero não é binário, ele é múltiplo. Há homens, por exemplo, que fazem a cirurgia para se tornarem biologicamente mulheres, e continuam sexualmente interessados em mulheres. Enquanto o sexo é binário, o gênero é mais complexo, pois permite diversas possibilidades, muito além de macho e fêmea.
    2- nesse argumento, eles fazem uma bagunça danada, começam falando de sexo e gênero. Ou seja, no primeiro argumento, eles explicaram que sexo e gênero são dois conceitos diferentes, e depois misturam tudo?!
    3- disforia de gênero não é um conceito combatido pelos transgêneros, pois é justamente o diagnóstico de disforia de gênero que os possibilita realizar os diversos tratamentos biomédicos. Inclusive o sus fornece esses tratamentos e tem centros de referência. Não são realizadas só cirurgias, mas também outros tratamentos como psicológico e fonoaudiólogo.
    4- muitas das pessoas com disforia de gênero começam a tomar hormônios por conta própria, mais um motivo para o reconhecimento e tratamento correto da disforia de gênero: evitar a autoflagelação.
    5- eles estão tratando critérios para o diagnóstico como argumento para desacreditar as pessoas com disforia de gênero. Esse é um dos comportamentos que marginalizam os transgêneros e os fazem tomar hormônios por conta própria e até fazerem procedimentos perigosos, como injetar silicone industrial. (Injetar silicone industrial é o que aquela Andressa urach fez, vocês lembram como ficou a perna dela?)
    6- ele só apontam riscos do tratamento hormonal, que é também utilizado em diversos outros casos, como problemas de fertilidade e até umas dietas que entram e saem da moda.
    7- as taxas de suicídio são comparadas entre pessoas sem disforia de gênero e pessoas com disforia de gênero que já passaram por tratamentos cirúrgicos e hormonais. Para ver a validade dos tratamentos, deveriam ser comparadas pessoas que têm disforia de gênero e receberam tratamento com pessoas que têm disforia de gênero e NÃO receberam o tratamento.
    8- nesse argumento, então, eles nem colocam referência. Afinal, não é argumento nenhum, mas a conclusão de um sofisma. Então deixo a minha conclusão: como as doenças psíquicas não são palpáveis, muitos acham que elas não existem. Convido qualquer um que tenha se sentido confuso com a publicação desses pediatras e os meus contra-argumentos a passar umas horas da tarde no pubmed e no Googlescholar lendo os resultados de pesquisas sobre o assunto. Pesquisas, em geral, são mais imparciais que opiniões.

    • Olá Lígia, apenas sobre o que vc disse no primeiro ponto, como pode um homem passar por cirurgia para se tornar “biologicamente mulher”? são implantados neles os órgãos femininos ou é uma adaptação para que se pareça com eles? e depois da cirurgia, eles passam a serem atendidos por ginecologistas?
      acho que o termo usado não foi o correto.
      Respeitosamente!

    • Ligia, se você aceita que há uma diferença entre o sexo biológico e o gênero, você JÁ ACEITOU a ideologia de gênero. Essa é justamente a base da ideologia de gênero. Quem é contra entende que não há uma separação entre o sexo biológico e a percepção desse sexo pela mente e que quando isso acontece, trata-se de um distúrbio psíquico, uma patologia, assim como a anorexia por exemplo. Se você parte do princípio que sexo e gênero são separados, você já está adotando a ideologia de gênero como verdade então não dá pra embasar seu argumento assim.

    • Bagunçada eh você!!! Consegui entender muito bem o texto acima. Agora putaria eh coisa de adulto, tranzar com mulher, com homem, com travesti! Isso eu faço com quem eu quiser e bem entender, sou adulta!! Agora colocar uma criança inocente dentro dessa realidade porca que nos adultos vivemos e impor a eles que vivam a mercê das nossas ” opções sexuais”, sendo que , criança não tem que saber entender ou ver nada relacionado a palavra “sexo” e seus derivados. Isso eh palhaçada, esse povo que fica defendendo essa bagunça na mente dos pequeninos nao sei se tem filho. Pois até meus amigos gays falam! Não eh bom que uma criança veja dois homens se beijando. Confundi. As coisas que vc fala fia eh relacionada ao adulto pleno. Não ao tema do texto, A CRIANÇA!!!!

      • Se for o da ligia ela só está ali para desinforma não ouve sofismo algum o texto é bem direto e bem claro fora o erro que ele cometeu não tem como muda o sexo “Fazem a cirurgia para se tornarem biologicamente mulheres” o comentario dele que ta com sofismo e ideologia.

  21. Dizer que uma associação, ou qualquer outra entidade, não deve receber crédito apenas devido a seu reduzido número de adeptos é uma grande tolice. O fato de grande número de pessoas aceitarem algo como correto ou verdadeiro não torna tal fato essencialmente verdadeiro. Se assim fosse, a crença no Geocentrismo, comum na Idade Média, teria feito com que a Terra realmente se tornasse o centro do Universo. Mesmo o fato de a Igreja dominante ameaçar de morte os poucos que defendiam que o Sol era o centro de nosso sistema não fez com que a mentira se tornasse verdade. De fato, no princípio “criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou, macho e fêmea os criou” (Gênesis 1:27). A verdade é sempre verdade, não importa se no século 1, 19 ou 21!

  22. Independente do que cada um de nós acredita, penso que a honestidade não é relativa. Ainda mais se esse site for feito por jornalistas, que sabem muito bem sua obrigação diante da informação. Essa associação não é uma das mais representativas da pediatria norte americana. Mas com certeza é uma das mais conservadoras, o que tem todo direito de ser. Não iludam seus leitores dizendo que esse é um posicionamento predominante no meio científico, porque não é.

  23. Vivi isso. Esse engano essa confusão durante 37 anos achando que o mundo tinha que me aceitar como mulher só eu sabia que ,a minha verdade .Eu sabia que nao era tinha consiencia disso e como muitos nao precisava ser uma pra ser feliz ,minha felicidade acontecia quando alguém concordava comigo ou melhor com a minha afirmação . o lance é passar pras pessoas a ideia de que vc acredita e ai elas porr amor por respeito te trata como tal e vc consegue existir ou melhor a segunda identidade passa a existir apartir dai ,,,enquanto eu nao externava isso era só eu e ela a Ana Paula dentro da minha cabeça ,na verdade essapersonagem nao tinha nome ate o dr waldir me dizer em minha alta que eu era gay e nao me aceitava assim ,,,quando ele me disse isso fi como me dar uma licença oficial pra deixar de ser paulo e assumir uma nova identidade,e a confusao é que eu de fato deveria ser ajustado minha mente com meu corpo ele me levou ao contrario e me torneiuma quase mulher bem resolvida e feliz enquanto nao parava pra pensar no quanto seria bom ser como todo mundo. ipocrizia dizer que somos todos iguais!! nao somos!! Cada um sabe de se e nao importa como nos vestimos nos nos conhecemos so nao sabemos lidar com nosso ser oculto .e imputar a uma criança uma identidade baseado em seus trejeitos;é massacrar a verdadeira identidade dela é privala do direito de escolher no tempo de capacitaçao pra essa escolha que pode ser pra vida toda,,tenho aogos gays que nao mais conseguem se imaginar diferente,mas confessaram seu desejo de poder escolher entre ser ou nao gays alguns gostariam de numca ter vivido isso e uma em especial fez a vida na Europa,vive bem tem grana e beleza e muito respeitada aqui no Brasil na sua cidade,chegou confessar que se um de seus subrinhos

    • apresentar traços dessa identidade, fara que ele puder fazer para nao influenciar nesse caminho.Ele apoiará pois só quem vive e se pergunta porque ?Pode saber o quanto é ruim e o que essa adequação interna faz com agente,,,A 13 anos estou fora dessa conduta e graças a Deus meus estímulos se ajustaram com o tempo e hoje o meu desejo é pela minha esposa,me sinto completo e feliz tenho minha dignidade restaurada porque antes ao buscar satisfazer aquele desejo acabava me frustrando e nunca me realizei é muita forçação de barra.pra me sentir como que EXISTINDO DE VERDADE,nao com as mulheres mas como homem E dolorido apelidar a humilhação de prazer,transformar a vergonha em em glamour fazer contínuos
      discursos de eu “”sou”” sabendo que nao “sou” e nunca vou ser.transformar crianças em gays deveria ser crime como estupro é,,

      • Caro amigo, vivo uma situação parecida com a sua com meu filho, meu filho começou a viver este conflito, vc contou em seu comentário que vc conseguiu uma restauração, como vc conseguiu ? Vc fez algum tratamento psicológico ? Aonde ? Com quem? Qual lugar? Eu e minha mulher estamos sem saber como lidar com essa situação, pois amamos demais nosso filho e nos queremos ajudá-lo, nos dê alguma pista por favor!

  24. É importante notar que, ao contrário do que diz o texto, a American College of Pediatricians não é uma das principais associações médicas de pediatria dos Estados Unidos, mas uma pequena associação feita de dissidentes da American Academy of Pediatrics exatamente por discordarem da posição da AAP quanto a questões sobre sexualidade. Só para comparar, enquanto a ACP tem aproximadamente 200 membros, a AAP tem 62 mil.

    Enquanto as razões que foram citadas devem ser debatidas dentro do ponto de vista técnico e científico, sendo para isto irrelevante o tamanho da associação, o texto aqui escrito ilude as pessoas para acharem que a representatividade deste posicionamento dentro do meio médico é muito maior do que realmente é.

    • Concordo com sua crítica, mas em parte apenas. Apesar de a ACP não ser tão representativa do mainstream Médico-pediátrico norteamericano, ela é sim representante política, neste ponto, das visões e valores Conservadores (“conservatives”) e/ou religiosos-confessionais daquela sociedade, o que significa não menos de 60% da população dos EUA. No Brasil o montante de pessoas que pensam (não cientificamente, mas culturalmente) da mesma forma que a ACP nesta problemática sobem a não menos de 85,6% da população (declaradamente “cristãos”, Senso IBGE 2010). Portanto, em se tratando de questões sociológicas e de valores culturais milenares, a Academia e cientistas são bem vindos sim se e apenas se constatarem os Fatos e os Dados da realidade objetiva, o que no caso fica claro que estes mesmos apontam para a manutenção da forma tradicional e do foro familiar de lidar com o desenvolvimento biológico natural das crianças.
      A despeito de todas as intenções políticas revolucionárias e fraudes científicas já propagadas ideologicamente em favor cientificamente imerecido e falacioso à “teoria de gênero”, os Dados de realidade genética e psíquica dos sujeitos afetados por desordens de “Disforia de Gênero” demonstram claramente que existe uma mitigação e há o desaparecimento dos sintomas subjetivos do “sentir-se como outro gênero” na maioria esmagadora dos casos após o início da fase adulta do desenvolvimento humano.
      Mas, como estamos falando de Ciência e relações sociais e profissionais interpares no âmbito do conhecimento, não podemos desprezar o FATO de que se existem indícios empíricos para ambas correntes teóricas, com predominância de Dados que corroboram a corrente científica Conservadora, então ninguém no meio científico têm o direito de suprimir ou sufocar politicamente 200 profissionais em detrimento da incerta visão política de 62 mil. Se a “luta” científica perpassa a luta política quando aquela tange questões sociologicamente tão delicadas, então o que deve predominar na Sociedade é a visão democrática da maioria de MILHÕES de cidadãos em face da incerta e afetada ideologicamente opinião não provada genericamente e cheia de contra-exemplos de 62 mil que representam a si mesmo e a uma pequena fração política revolucionária de gênero!

      • Não vejo a representatividade política como sendo relevante para a minha crítica. O texto foi escrito de forma tendenciosa, para dar a entender que uma parcela significativa de profissionais de saúde corroboram com a visão que foi apresentada, o que não é verdade. O texto original dizia que era “uma das maiores associações médicas de pediatria dos Estados Unidos”, o que era facílimo de verificar ser falso. Depois da minha crítica, mudaram para o texto atual, que é bastante subjetivo e difícil de verificar se é verdadeiro ou falso, mas que deixa ainda bastante clara a intenção de aumentar a importância real dos fatos. “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” não foi posto em prática por quem escreveu o texto.

        Você alega que os “fatos científicos” que corroboram a visão conservadora são amplamente predominantes, o que na minha visão vai de encontro ao fato que esta visão é ínfima na comunidade científica. Pessoalmente desconheço qualquer caso em que a comunidade científica em massa seja contra um volume tão grande de dados como alegado. Sem fontes que corroborem, preferencialmente de estudos comparativos das diferentes pesquisas e resultados produzidos, fica difícil considerar que esta não seja somente uma opinião tendenciosa sem fundamento na realidade.

        Por fim, discordo do seu discurso envolvendo política e ciência. Embora é claro que, como toda atividade humana, a ciência está sujeita a interferências políticas, ela não pode se pautar por tais interferências. Não é a opinião, muitas vezes incorreta, da maioria que deve ditar o que é cientificamente correto ou não, assim como não pode ser a simples contagem de profissionais com determinada opinião que pode determinar o que deve ou não ser considerado como válido, nem mesmo a democracia ser confundida com ditadura da maioria. Em uma democracia não é simplesmente a vontade da maioria que deve prevalecer, mas sim o respeito aos direitos e necessidades das minorias e às ideias com forte embasamento e comprovação.

  25. Não se trata de questão ideológica de gênero. Esta é outra história A carga psíquica é o que importa. Se um jovem, masculino portanto, se sente feminina, onde está a ideologia.

    Não pretendo dizer besteira, mas a nossa Unicamp deve ser chamada a desfazer esse mal entendido americano.

    O sistema capitalista não pode interferir na ciência. A psiquê humana é mais vasta e pouco explorada, sobretudo no afogadilho de desbancar a América Latina.

    Isto me parece ideologia médica, e não científica.

    Assis Rondônia ,
    Limeira, 25.março.2016

    • Até que em fim uma matéria séria onde a ciência não se rende à ditadura da maioria que quer impor comportamentos novos como se fossem descobertas e soluções para as tristezas humanas. Todos temos pressupostos. Até a ciência precisa deles. A ciência não define o ser humano. Ele já se auto define na própria estrutura. Muito mais as experiências da humanidade define o homem. Tudo nasce do Criador. Sem ele nem uma ciência tem sentido. Mas tendo-o como fonte de tudo cada ciência pode contribuir para entendermos quem somos.

      • O ser humano não precisa de mais gênero. Ele estaria brincando de Deus ao tentar descobrir isso. Pra mim essa atitude da humanidade é só um reflexo na natureza caída do homem que tem mais fé em suas loucuras do que na verdade clara, saudável e linda que Deus conta em sua carta aos homens: a Bíblia.

Leia também